PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

terça-feira, 19 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | Onde andará o velho Resedá?

Texto de Elisabete Calmon, Brasil

Árvore da minha e da infância do meu pai. Plantada pela minha avó. Naquele tempo as árvores faziam parte das famílias e a gente ia nomeando as casas da lembrança por suas flores e frutos.

Havia na vizinhança a casa da Caramboleira, que generosa oferecia frutas logo ali, no muro do meu quintal. Do lado, a casa da Goiabeira e logo depois a casa das Avencas e do Carnaval. A da Acácia amarela ficava do outro lado da calçada e era nela que as cigarras orquestravam a sonata do entardecer.

Quase no final da rua a majestosa casa das Jaqueiras. Sim, Jaqueiras porque eram três, as fruteiras e os moradores. Velhinhos, de cabelos brancos, sempre nas janelas, um em cada uma, quase imóveis, vendo a vida passar.

Eu imaginava que ali era a Casa do Tempo, um lugar tão distante, inalcançável para o olhar de uma criança. Um tempo que só hoje pude encontrar. Sim, eu agora também fico nas janelas, dezenas delas, tantas quanto eu quiser abrir. São janelas virtuais, telas de um celular, de um laptop, de um computador...

Janelas onde vejo e sou vista, no silêncio da escrita que brota de cada um de nós. Janelas sem flores nem frutos, sem perfumes e sem sabores. Das antigas janelas, só restou o vidro. Onde andará o velho Resedá?

Sem comentários: