PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 28 de julho de 2013

Crónica: SONAMBULISMO LIBERTÁRIO OU QUASE ISSO

Nessa onda de fabulosos dinheiros e sonhos, estive a pensar no que faria com pelo menos 2 milhões (não de massaroca, que a minha mãe nunca foi de produzir "milhinhos", mas "milhões" mesmo, vezes sem conta arrumados em sua despensa)…

Pois, continuando, com 2 milhões de dólares eu tomaria um banho de perfume e pela primeira vez (última também, espero) me punha num fato e gravata para ir ter com o meu patrão. Enchia o peito de ar, pigarreava, coçava a barba, agarrava num frasco de desodorizante e pulverizava as notas que tivesse no meu bolso, tossia com um pouco mais de classe, dizia-lhe para estar à vontade no seu próprio gabinete e, pronto, inaugurando a era de libertação íntima no uso de palavras, abrir-me-ia ao que vinha:

“Como sabe, muito poucos entre nós podem dar-se ao luxo de escolher. Tenho a si como tenho vizinhos, amigos, alguns familiares, ex-patrões, enfim, por casualidade, que no meu caso está mais para fatalidade. Seu rosto lembra-me a quantidade de sapos que venho deglutindo, quantos deles indigestos, desde os meus quinze anos, quando o sustento dos estudos e a lei do estômago me atiraram ao mercado do trabalho, qual Daniel à cova dos leões, chamando a um qualquer mortal de chefe. Hoje, venho mui respeitosamente, diria mais simbolicamente, declarar-me independente. Tenho com que viver para o resto da vida, e mais, para ser seu colega enquanto entidade ou engatatão para  secretárias. Me esquece, ouviu?!”

A entidade patronal, ou a pessoa que a representa porque, como diz o outro, as instituições não existem como tal, haveria de me olhar com perplexidade, pondo em causa a minha saúde mental. Só que tudo isso estaria já previsto, bastando dizer:

“Imagino como me inveja esta liberdade, pois tudo o que o senhor pode estar a imaginar é espetar-me faltas, comunicar aos maiorais para um processo disciplinar, um corte, mais um ou menos um, como de costume. Poupe-se de cansar a mente, que o passe já o entreguei ao efectivo da segurança, que por sua vez acaba de me passar o curriculum vitae, sabe-se lá como ficou a saber da minha nova condição, está a ver?!”

Nesse instante, eu aliviava o nó da gravata, marcava uns passos porta afora, fingia ter esquecido algo, voltava a entrar e atirava a gravata e o cinto (esse maldito simbolizando o lado carrasco do desenrascanço) para o balde de lixo. “Receba-me o vento”, gritaria.

No dia seguinte, recrutava algumas bocas de aluguer, elevando bem alta a tenção de instituir a preguiça como um direito fundamental para mentes criativas, num qualquer enquadramento com a nova Lei do Mecenato. A minha casa transformava-se imediatamente em estação de rádio, com estúdio especial emitindo a partir do conforto da minha cama. Pronto, são ideias. Ou seja, estou já acordado?

Oh, caramba!, estou atrasado para o serviço, nem tempo para o matabicho resta. O carro, vigésima mão da Europa, está avariado, quer dizer, já só falta ir busca-lo à oficina; mas como, se o salário só cai uma vez por mês? Ainda por cima, não há água na torneira, foi-se outra vez,  ao passo que o gerador não permite engomar o uniforme.

Gociante Patissa, Aeroporto Internacional da Catumbela, 28 Julho 2013

Sem comentários: