PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Aprovado estudo de línguas nacionais

O director do Instituto Nacional de Línguas Nacionais, José Pedro, revelou em Benguela, que o Conselho de Ministros aprovou seis línguas nacionais que vão ser estudadas.

Falando no segundo dia de trabalho do Conselho Consultivo Alargado do Ministério da Cultura, que terminou quarta-feira na cidade de Benguela, José Pedro acrescentou que uma resolução do Conselho de Ministros aprova os alfabetos e regras de transcrição do Kimbundo, Umbundo, Kikongo, Chokwé, Oshikwanhama e Bunda.

O director do Instituto Nacional de Línguas Nacionais revelou que um outro estudo recomenda o reconhecimento de alfabetos e respectiva transcrição do Nganguela, Herero e Koisan. “Os estudos destas línguas estão concluídos e aguardam pela aprovação dos seus alfabetos”, anunciou José Pedro. 

Relativamente ao mapa linguístico de Angola, o director do Instituto Nacional de Línguas Nacionais refere que os utilizadores dos grupos Koisan, pré-bantu e bantu, consideram as respectivas línguas igualmente como línguas nacionais.

A inserção das línguas nacionais no sistema de ensino depara-se com diversos entraves, uma vez que os seus utilizadores consideram as variantes igualmente línguas nacionais. Como experiência piloto da inserção das línguas nacionais no sistema de ensino, o Instituto começa sempre pela variante padrão, enquanto realiza estudos sobre as outras variantes.

Harmonização gráfica

Segundo José Pedro, o trabalho de harmonização da grafia das línguas conta com o apoio do Centro de Estudos Avançados de Cape Town, da África do Sul, que colocou à disposição do Instituto Nacional de Línguas Nacionais, investigadores da Zâmbia e Namíbia. A instituição produziu recentemente alguns trabalhos sobre léxicos de base, temáticos e gramáticas técnicas. Os trabalhos contam com o apoio da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto e de especialistas de países como a República Democrática do Congo, Zâmbia, Congo-Brazaville e Namíbia. 

A investigação científica nos domínios da Cultura, formação, ensino, fomento das artes e diplomacia cultural, foram os temas em análise no segundo dia de trabalhos do Conselho Consultivo Alargado do Ministério da Cultura.

Sem comentários: