PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 18 de maio de 2016

[Oficina] Crónica | Afinal, João Bernardo é kinhungueiro

Foto: http://www.jornaldoestadoms.com/
Estrutura bastante para uma boa apresentação, o homem era completo, um bom partido para as bonitonas. Coisa rara só vista em passarelas. Ó meu Deus! O peito desenhado à medida dispensava palavras de convite feito aos desejos da mulherada para, no mínimo, um apalpar. Tão fofo, tão gostozinho, era sortudo nesta temática!

Pouco dado a amizades, bom dia ou boa tarde chegava. Quase não se misturava, talvez rejeitado pela insegurança masculina que se sentia ameaçada junto das namoradas e noivas que o abordavam.


Solteiras e donas de casa faziam rodas à sua volta, não se via o tempo passar de tão bem contemplá-lo e embeber no gozo de suas misteriosas palavras de embalar donzelas. Não surpreenderia o sabor a fel nas falas dos homens que o rejeitavam por tudo e por nada, enquanto as senhoras lutavam para tê-lo por perto. Mas todo o charme viria a derreter na sequência de um infeliz convite para o tradicional banho ao rio num sábado, em véspera da Páscoa Santa, entre grupos de rapazes.

Roupa expulsa do corpo estava reparada a diferença, todos o olhavam esbugalhados e o ar de troça no ar. Vingança de chinês, afinal, “João Bernardo é Kinhungueiro”.

Nem tinham regressado ao bairro, a notícia adiantara entre o vento e paredes, boca de aluguer se desdobravam com a mensagem que se tornou canção; Nda opikila cilima, vanda vanda lo vate (Quando servires um não circuncisado, endireita o seu funje com saliva).

Todos passaram a rejeita-lo, até a noiva, que já andava decidida em abandoná-lo, pagava por chacota das outras. Mais venenosa e cega a inveja não se podia tornar..

Texto de Lauriano Tchoia
Luanda, 13.05.2016
Cilima ombwa ya ño; si ulandela onguto (Um não circuncisado não passa de um cão qualquer; colher para ele eu não compro). Cantavam-se em simultâneo as duas canções, mas com uma intensidade jamais vista na comunidade.

Coitado. Pintainho molhado era pouco para descrever o estado de alma do homem. Nunca imaginara tremendo crime por andar com o prepúcio pendurado num certo sector pelas calças. Não era assim na sua Terra.

Sem comentários: