PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 3 de janeiro de 2016

Crónica | O «Gospel» e os equívocos de um estrangeirismo em Angola

O programa «Show da Zimbo», emitido de Luanda este sábado, 2 de Janeiro, constituiu mais uma oportunidade desperdiçada para acabar com os equívocos a respeito do que é, ou não, «gospel», ainda mais porque reuniu notáveis fazedores de opinião na área.

Depois de uma coreografia de dança no estilo kizomba, ao compasso de uma versão angolanizada do tema «Jesus Cristo», original do brasileiro de Roberto Carlos, voltou-se a discutir sobre o que ficava bem, ou não, «no gospel». A problematização feita por um dos presentes, cujo nome não fixei, não podia ser mais confusa: «será que fica bem combinar o estilo (sic) gospel com outros estilos do nosso mercado?»

Daí a discussão seguiu pelo painel de convidados, com o prodigioso Bambila a recorrer à popular tese segundo a qual «todos os estilos foram inventados por Deus». Falou inclusive da emanação divina em ir actualizando os artistas conforme as gerações.

A intenção podia ser boa, mas o que se viu foi um debate coxo e deslocado à partida. A pergunta de base que se esperava dos moderadores seria: o que é afinal «gospel»? Se consultarmos o Google ou um dicionário, é fácil perceber que a palavra «gospel» não é necessariamente uma questão de ritmo nem de estilo. O conceito de «gospel», excelências, implica a própria mensagem!

Com a vossa permissão, peço por empréstimo as palavras do Oxford Mini School Dictionary (2007: 256): «Gospel are the teachings of Christ; something you can safely believe to be true» [é a divulgação do evangelho de Cristo; algo em que temos fé que é verdadeiro]. O dicionário revela ainda que os quatro primeiros livros do Novo Testamento são considerados «The gospels».

Outro exemplo pertinente vem de um veículo informativo digital do Brasil, o «Gospel Prime», que se apresenta como «portal  com conteúdo relevante que reúne notícias e música gospel, estudos e artigos cristãos e tudo sobre o mundo evangélico.»

Agora, se o que se quer debater é o padrão performativo adequado para louvar a Deus, a discussão é outra. Afinal de contas, as manifestações artísticas são uma questão de cultura. E como as igrejas evangélicas, tal como a Católica, são de origem ocidental, as formas tradicionais de entoar reflectem também o jeito daqueles povos de ser e estar na música, geralmente suave. Daí que o nosso apelo vá para não se perder de vista a evolução sócio-histórica das igrejas em África, reservando ao estilo «kembo» (dos tocoístas) o respeito e valor identitário merecidos (e porque não ao ku-duro, ao sungura, etc., como já temos visto, desde que bem e eticamente elaborados?) Universalidade é isso.

Numa era cada vez mais dominada por estrangeirismos, com a língua inglesa a liderar, aumentam os desafios pedagógicos da comunicação social em dissipar deturpações. Gospel é muito mais do que cantar ou vender discos. Gospel é o Evangelho, seja através de um jornal, de uma pintura, de uma conferência, ou de uma peça de teatro.
Gociante Patissa. Benguela, 2 de Janeiro de 2016

2 comentários:

Gil Lucamba disse...

Muito boa a sua reflexão. Destaco o facto de muitas pessoas, incluindo cantores, nunca terem percebido que os estilos musicais que apresentam com frequência, são consequência da "colonização".
No Brasil, por exemplo, a música gospel é cantada em vários estilos musicais e consequência disso, é a mais consumida e a que mais vende.

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

Grato pelo seu contributo, caro Gil Lucamba.
Há um longo trabalho pela frente neste campo das identidades e dos resquícios da dominação colonial.
Um abraço de Benguela
Gociante Patissa