PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sábado, 4 de outubro de 2014

Crónica| Como colher a semente

Um ano depois, ficamos a saber, já com aquela inofensiva – sem deixar de ser sádica – alegria, que a ministra tinha sido exonerada. As razões à volta do facto eram-nos irrelevantes (mas explico lá mais adiante porquê).

Hoje, visitei a residência sede da Rádio Ecclesia (agora Diocesana), na cidade de Benguela, junto do Bispado, como não fazia há seis anos. Foi preciso algum esforço para disfarçar os sorrisos de nostalgia, no mínimo, para não ser tomado por visitante emparvecido, como se arrisca quem esbanja alegria sem contextualizar os vizinhos. Foi como se um balão do tempo me fizesse mergulhar nos bons anos de convivência. Nomes, momentos e jocosidades brotaram. Depois veio a noção de ausência, como que a escorregar entre os dedos. O tempo tem das suas: um dia aproxima-nos, noutro manda-nos para hemisférios desencontrados e com isso o desgaste dos afectos.


2004. Uma inusitada empatia unia-nos, quando o normal seria, provavelmente, nos vermos como rivais, uma vez concorrentes. Uns mais dotados que outros, havia também os que precisavam mais do emprego que outros, mas nada estragava o bom humor. Éramos cerca de dez jovens, anónimos por assim dizer, durante três meses de triagem para redactores-repórteres-noticiaristas, no contexto da iminente abertura da Ecclesia em Benguela (o que não aconteceu, por imperativos legais no consulado do ministro Hendrick Vaal Neto. Ainda hoje, está por sair a licença de emissão).

Bem, voltando à Ministra… A primeira parte dos testes consistia em ler, com aquela «elegância» que se espera de um locutor. Para a nossa pouca sorte, o texto era de uma revista com luxo gráfico que nunca mais acabava, num reluzir que se fazia ruído aos olhos, reflectida a lâmpada fluorescente no rosto maquilhado. O resto era só soletrar e tropeçar ao microfone. A matéria tinha que ver com a viagem que uma ministra santomense, Maria das Neves, fizera a Portugal, onde aparecia em abundantes poses, vestes pretas com meias compridas. Por acaso achávamos que se era para inspirar um texto de desgraçar o  teste dos outros, podia muito bem não viajar. Ela estava bem na vida, com formação, cargo e dinheiro, enquanto nós travávamos na jante…

Depois, de azar em azar, a maka veio a estar também numa tal de dicção, como se não bastasse a complexidade do texto. Para o desespero do instrutor, líamos /tomé/, quando afinal seria /tumé/ – atenção às vogais, meus senhores! – Ah, porque /f’char/ as vogais. Mas que mal têm as coitadas, para agora andarem fe-cha-das?! Enfim, quem fosse à cabine voltava com raiva da ministra. O Zé Manel e o Padre Samy saíam-nos cá uns bons ardilosos. Que aquilo lá nunca foi texto feliz para rádio, já deviam saber. 

Superada essa etapa, que a muitos candidatos eliminou, trazíamos a ministra à conversa para nos rirmos das nossas dificuldades iniciais. E embora não nos tivesse feito na carne mal algum, passamos a nutrir uma histórica antipatia pela ministra, que mais tarde se ouviu metida em acusações de corrupção. A sua exoneração, algum tempo depois, foi mais um pretexto para a jocosidade amistosa com sabor à vingança.

Quando a rádio emitir, os formandos da minha época ter-se-ão esquecido do jornalismo. Estática a Diocesana, ora colhe a própria semente, ora tenta resgatar a utopia das acácias.

Gociante Patissa, Benguela, 27 Dezembro 2010

Sem comentários: