PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 20 de dezembro de 2015

Crónica | Nicki Minaj e o soft porno conveniente

Foto do portal Platinaline
O mercado capitalista, que se baseia no postulado da liberdade de mercado, costuma no espírito e na forma acabar sendo o oposto do que apregoa: a liberdade. Porque ela, a liberdade, é música dissonante quando pelo seu lado da vontade individual parece pôr em causa o outro lado, o da obra do sonho colectivo.

No nosso caso, a partir do momento em que uma marca comercial, por força da sua publicidade e presença na vivência da maioria, se torna representativa, ela passa a figurar no campo dos afectos telúricos. Passa a ser um património de uma determinada sociedade, mesmo sem o ser materialmente. A Unitel é nossa. Não devia valer, por esta lógica, o argumento do "posso, logo faço", alheando-se de todo um conjunto de sistema de valores do meio em que está inserida.

É certo que neste campo, há uma espécie de dois países em um só, estando num lado um meio urbano ultra-liberalista (entretanto sem pilares como tal) e noutro uma desesperada tentativa de salvar e resgatar valores positivos de matriz identitária africana. As políticas de Estado, que não tinham como ser acutilantes em épocas de guerra, seriam o necessário capital de contra-poderes. Enquanto isso, o debate é insuficiente em quantidade e profundidade. O espectro do medo e da conotação é omnipresente.

Como pensador não subscrevo a visão radical que qualifica de bosta o que a academia convencionou chamar "arte moderna/urbana", por ela representar uma montra de pura anarquia em termos de conceitos estéticos e rigor, bastando apenas um pouco de ousadia argumentativa para qualquer "nada" elevar-se ao estatuto de arte ou olhar estético.

Também não posso concordar com paralelismos relativistas e descontextualizados, só para defender os deslizes que ocorrem na publicitação de produtos. No outro dia, perante um outdoor (que suscitaria polémica pela nudez explícita na imagem da modelo) em Luanda, não tardou alguém dizer que não via diferença entre aquilo e a forma tradicional de vestir dos mucubais, no sul de Angola, que se apresentam geralmente de tanga e peito desnudo. Mas seria intelectualmente honesta a comparação que arranca uma etnia do seu contexto cultural? Enfim.

Voltando ao título deste apontamento, parece que é à Unitel que devíamos torcer o nariz em repulsa à imagem da sua convidada, a americana Nicki Minaj, que entretanto não pode ser responsabilizada, uma vez que o seu mercado encoraja aquela forma escandalosamente sensual de vender música. Quem paga (e nestes casos nunca é pouco) pode sempre influenciar. Consta que foi por isso que o nosso Yuri da Cunha (não que alguma vez apostasse no culto ao corpo) teve de se vestir de maneira mais "comedida" aquando da sua jornada com o italiano Eros Ramazzoti pela Europa, talvez para não destoar a imagem de simplicidade em palco como marca.

Não fazendo apologia da censura, não podemos por outro lado deixar de assinalar que grandes corporações influenciam opiniões e modelos. Para uma juventude já com tão débil noção de distinguir fantasia de vida real, talvez o soft porno não seja tanto o que mais ajuda enquanto modelo, mesmo o conveniente, como parece ser o caso. Não reclamemos, pois, se amanhã as nossas irmãs cantoras enveredarem pelo sof porno como forma mais frutífera de conseguir um cachet alto em palco.

A Unitel, que tem a responsabilidade tanto de estar perto dos seus clientes do meio rural como dos da cidade, tem outras formas de encher os angolanos de orgulho, das quais sublinho a contínua melhoria da qualidade e a expansão do seu serviço na conquista de outros países... com Angola no coração.
Gociante Patissa, Benguela 20 Dezembro 2015

Sem comentários: