PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

«Filhos de estrangeiros nascidos no tempo colonial já não terão direito a nacionalidade», noticia o REDE ANGOLA

O parlamento aprovou ontem, depois de vários adiamentos, a Lei da Nacionalidade, diploma que impede agora cidadãos estrangeiros e seus descendentes, nascidos em Angola no tempo colonial português, de serem angolanos.

A Lei da Nacionalidade foi aprovada com 142 votos a favor do MPLA, 34 contra dos partidos UNITA e CASA-CE e quatro abstenções do PRS e da FNLA.

“Cidadãos filhos de estrangeiros, nascidos em Angola antes da independência que não tenham regularizado a sua situação já não podem adquirir a nacionalidade, perdem o direito, a partir da data da publicação da lei”, reforçou Isabel Tormenta. Ler artigo inteiro aqui

Nota do blog Angodebates:
Falar disso era convite para receber o rótulo de "preconceituoso". Mas em boa verdade, essa lei chega tarde, talvez demasiado tarde, já depois de tantas irregularidades e tanta nacionalidade atribuída. Tivessem os parlamentares um ouvido mais próximo do povo, isso estaria arrumado logo que se conquistou a independência. 

Sem comentários: