PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 12 de julho de 2015

Crónica | Uma estranha vontade de nos protegermos de nós mesmos

Visitei há uma semana o sítio onde passei a maior parte da minha vida (de 1987 a 2008), o bairro da Santa Cruz, no município do Lobito, contas feitas 21 anos a fio.

Na verdade, vou lá com frequência visitar a família, embora prefira não contabilizar tais vezes, já que acontecem de forma restrita, como é de imaginar. As idas de formato mais alargado, mais social, ocorrem, via de regra e lamentavelmente, quando me chegam notícias da morte de algum conhecido por lá, e com isso o dever de solidariedade. Esta última visita não fugiu à regra. O bairro desvirtua-se com o tempo: muita gente nova, construções e obstruções. Há gente do meu tempo que não via há mais de um ano.

E foi com um certo desconforto que reparei a deferência com que me tratavam. Com boa intenção, é certo. Aliás, sempre fui tratado com algum carinho naquele bairro, não apenas pelo carisma da minha família, mas essencialmente uma recompensa por ter sonhado e liderado a equipa que materializou a AJS (Associação Juvenil para a Solidariedade), ONG angolana fundada em 1999. Ainda assim, bateu em mim uma forte vontade de me proteger de mim mesmo quando o perfil de "escritor" suplanta a memória do cidadão.

O habitual em óbitos é nos encostarmos a pessoas da nossa turma, nosso tempo, mergulhar naquelas conversas homogéneas. Desta vez, para me pouparem da poeira, do sol (que até não incomodava), fui convidado a ficar numa sombra "mais confortável", isolando-me (mesmo que não o dissessem) de eventuais conversas banais de um ou outro jovem inconveniente e talvez sem escolaridade.

Sim, porque agora não sou apenas aquela alma que o bairro deu oportunidades para com ele crescer; porque agora vou tendo espaço de relevo na televisão, nos jornais, na rádio, inclusive de alcance nacional. Imagino já o que viria a seguir, caso tempo houvesse para comer e beber, um excessivo (a meu gosto) cuidado em “protocolar o escritor”.

Cedi, vi-me obrigado a ceder. Negar seria garantidamente uma afronta, estrondosa deselegância, para com o um amigo com quem andei na mesma escola (7.ª e 8.ª classe), que muitas vezes me deu boleia na sua bicicleta e me permitiu jogar no seu "game".

Um pouco pela falta de tempo (ocupação profissional mais a exigente tarefa de ler e escrever para consolidar a carreira) e outro pouco por causa de algumas lições amargas bem apreendidas nesta vida, tenho optado por uma postura mais introspectiva, mais caseira, diria até menos comunicativa. Mas no essencial sou eu, procuro manter-me autêntico, produto das minhas vivências, da militância cultural e do legado familiar.

O que fiz esta noite (antes que tal barreira venha a dar cabo do que eu preciso para tesouro, nomeadamente as minhas memórias e o direito de pertencer ao meu meio de ontem), foi escolher dezenas de fotografias a rolo para as poder digitalizar. Quero ao menos guardar esse alegre registo de menino. Eu preciso disso! É uma estranha vontade de nos protegermos de nós mesmos, dos efeitos colaterais em nossas conquistas e realizações.

Gociante Patissa, Benguela, 11 Julho 2015

Sem comentários: