PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Um ano sem Délio Batista


No mês em que se assinala um ano desde que o pintor Délio Batista faleceu, volto a partilhar a relevância que ele teve na minha trajectória. Quando em 2008 precisei, por recomendação da editora, de um quadro para capa do "Consulado do Vazio", o livro de poemas com que me estreei, e após fracasso com outros artistas, Cláudio Silva (Pepino, do Hotel Luso) apresentou-me a Délio Batista (1947 - 2013), um artista plástico de curriculum vastíssimo. Eram nove e tal da manhã. E por volta das 11h00, o kota Délio já me havia cedido "De Pernas Cruzadas", com que me enamorei dentre o seu acervo. Tudo a custo zero. De tal sorte que o tive como um "padrinho", carinho que de resto era retribuído. Tive o privilégio de ser a pessoa que mais o fotografou nos últimos anos de sua passagem pelo mundo, quase sempre com a finalidade de elaborar folhetos para exposições em perspectiva. Obrigado, tio Délio, pelo seu monumental exemplo de solidariedade artística.


Sem comentários: