PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Em dia de folga, umas horitas com o olho no visor da máquina fotográfica pela sede do município da Baía Farta

De acordo com os meus documentos oficiais, sou natural daqui. Na verdade, nasci na comuna do Monte-Belo, do município do Bocoio. Acontece que havia uma irregularidade com a minha cédula pessoal, notada ao transitar da 4ª para a 5ª classe. Como havia a guerra a bloquear os acessos, sendo impossível retornar ao Monte Belo, foi feito outro registo, aproveitando que o meu pai era comissário comunal da Equimina, do município da Baía Fata, ficando a partir dali, infelizmente, alterada a legitimidade das minhas secundinas. É esta a verdade.
 Lombula (ou se preferir o aportuguesamento, "lambuda"), antes da grelha
 Administração municipal 
 Já era
 Cabeças de sardinha
 Tubarão, o caçador em dia de derrota 
 Símbolo do proletariado. Voltando à questão que até não é minha: o trabalho dignifica ou danifica?
 Tubarão, elegante mesmo depois de morto
 Futuras escritoras
 Peixeiras e o dever de sustentar a família
 Jamanta, a borboleta do mar
Brincar às pescas
Grandes mulheres 
 Por ordem de chegada
 Quando a esmola é demais
 Cais
 Velhos amantes

Visitando memórias de infância. No princípio da década de 1990, um tio meu trabalhava na empresa Fropesca 2, sob gestão espanhola. Como o turno era semanal e havia uma casa de passagem, tirávamos por vezes um dia para passar lá, fartando-nos de comer peixe. Deleitava-me, acima de tudo, o peixe que comíamos directamente da grelha ao lume, tendo dali nascido - não vejo outro motivo forte - a minha predilecção pelo peixe. Foi nesta ponte cais também que pela primeira vez peguei num anzol para pescar.

Sem comentários: