Edição angolana do livro de contos

Edição angolana do livro de contos
Edição angolana do livro de contos

PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Diário | É o senhor jornalista Mano Manel?

“Aló!”
“Está, sim, ouvinte, bom dia…”
“Aló…”
“Estamos a ouvi-la. Pode falar…”
“Ene! Não se ouve nada – esses telefones d’agora afinal estão como, oh minha vida, que a pessoa liga para a rádio, gasta saldo, e não se ouve nada?!…”
“Aló! Mas nós estamos a ouvi-la bem. Pode prosseguir…”
“Aló… aló”
“Bem, assim fica realmente muito difícil. Vamos pedir ao nosso operador de som, o Manuel da Silva, para mexer nos botões, a ver se de uma vez por todas podemos colher a intervenção da nossa ouvinte. São oito da manhã e quarenta e cinco minutos, este é o seu espaço Ecclesia 24 Horas, magazine informativo e agenda social de Benguela e arredores, em fase experimental. Estamos situados na Rua do Bispado. Vamos ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, das oito às dez da manhã em directo. A coordenação geral é do padre Domingos Kakepa Graciano, a nossa equipa é ainda formada por Horácio Dos ReisPedro Tchindele, António Mateus e Engrácia Gonçalves. Agora, sim, parece que é possível. Aló, ouvinte, bom dia…”
“Bom dia. É o senhor jornalista mano Manel?”
“Sim, Zé Manel. Pode expor. Qual é a sua situação?”
“Mano Manel, é assim. Aqui em casa, problema é só mesmo o pai das crianças. Está demais…”
“O que é que se passa de concreto, senhora? Qual é, já agora, o seu nome?”
“Laurieta. Laurieta Matilde.”
“De onde é que nos fala?”
“Do telefone. Vou falar rápido porque o saldo é pouco e aqui também, no mercado da fruta, toda a hora é atender cliente. Mas é assim, mano Manel. Você, como jornalista, vê só o que podes fazer por nós, porque o jeito que o pai das crianças ultimamente come, não vamos chegar em Novembro… Nem vamos ver o primeiro comício da independência total de João Lourenço…”
“É complicado…”
“Eu sei. Aí fiz o quê? Fui obrigada a lhe dar garfo, pelo menos só para ver se a comida cai e dá tempo de comermos na velocidade dele, nada. Vou fazer como com dois filhos?…”
“Mas se ele come muito, não é sinal de boa saúde? Ajude-nos a perceber…”
“É assim. Aqui em casa sempre comemos com a mão, é nosso hábito, não sei se estás a ver, ó jornalista mano Manel. Mas então não chegou num ponto que ele começou a comer como liambeiro, apetite tipo pessoa que fumou liamba, cada monte que ele manda para a boca, você até assusta?!”

www.angodebates.blogspot.com | Gociante Patissa | Aeroporto Internacional da Catumbela, 27.07.2018 (ficção)

Sem comentários: