PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Oratura| NYE OWIÑI WOVIMBUNDU WUSANDA VOMOKO? [Qual é o valor antropológico da faca para os Ovimbundu?]

Umbundu| Nye owiñi wovimbundu wusanda vomoko?

Vakwetu twendela kumosi, vyovyo ovilamo vyange. Calinga naito okasimbu tunde apa twalisula lombangulo yevi vyatyama kolonjila vyesinumwilõ lyelimi kwenda oviholo ale ovihilahila kUmbundu. Tulisokolwisiko okuti atosi tusyata okupotolola vakwete ono kefetikilo lyovina, capyãlã enene evi viletiwe kwenda vyayeviva kovaimbo, osimbu okuti vimwe apa oco mwalupale vipinga ndamunu vitakata.

Catunena cilo elomboloko lyondaka yitukwiwa yiti «omoko». Olondaka vyalisetahãlã, pwãi lelomboloko lyalitepa: (1) Volonjo ka citava okuti mukamba ocikwata cokuteta ovina. Oco hã nda mupi ndona atenlã okutongola osanji, ombisi, okusosolola ositu, ale amelã, oco vyende vombya? Nda mupi olomesene vikonja olohaku, akongo vayuva ovinyama? Siti tê lutale walepikiwa, wukwete ukundo, una wutukwiwa siti omoko? (2) Konepa yakwavo, omoko yalomboloka vo esesamenlõ omunu akwete, ndeci okuti omõlã okwete omoko yokutatiwa locisola, omoko yokukapiwa kosikola. Ocimahõ culandu ulo catamba enene komoko ndokulinga ocikwata kwenda esilivilo oyo yikwete ndocisipulwi, ndeci vocilongwa ciyevala okuti: "nda omõlã olilila omoko yoputo, ove uyavela [eci yuteta, eye mwenle].[1]

Vonjila yombembwa yatayiwa kolupale wo Bicesse kunyamo wa 1991, kuna Nguvulu yetu yofeka yo Ngola kwenda aswalali vo citundo co Unita valitava vokusapela, ndokusyapo uyaki wovita vyafetika ko 1975, twasangamo eliñwalehenlõ lyapata vomãlã voNgola, vana vakala okuti valitunda, cikale imbo limbo, cikale onavo lo navo. Petosi apa ndeti palinga ono yekatanga kovihilahila vitunena vohango yetali, okupisila velombolwilo limwe twakwata vulandu wakulu vovaimbo vocivanja cOmbaka.

Vomenle yimwe ya calumingu, vamwe okuti vasikinlã konjo yetu vakala lokulipongiya, locimahõ coku kukulihã umwe tiyu yavo. Vakala vavali amalehem okuti kwayamo tulinga tuti vo 18 vapitamo ale, vana vacitiwa kwalunda, olosiwe kwenda vatekwiwa lika lepata lya ina yavo. Volupale wo Lupito, valavokaile okukulihã kota lya isya yavo, kalingi isya yavo yukulu, ndomo cikasi kesinlã lya va Bantu. Omo lyaco, cakala esambiliyo linene. Ocitangi cakala ño okuti, kuyu vakasanda, onduko ño yakulihinlwe, onjo syo. Oco mwenle oco, ekisika lyakala vokusanga ukulu vendo lyowiñi vonembele.

Eci ndavalawulula ndayu okavasindikila, ndamõlã okuti vakwata olomoko. Pala nye, nda eteke lyepuyuko vocakati? Pwãi lopo, ondaka yange ka yakwatele ongusu, lokulinga umalehe wavo. Ndeya okupitinlã petosi lyokuhã, eci umwe pokati kavo alinga heti “ulume ka kambaila omoko”. Mekonda lye? Ame ndapula, pwãi ndaimba ño volwi. Ndeya okwivaluka ina yange, una wapopele eteke limwe vo caco oco. Vokulipatãlã lavo, ndeya okuyula. Twavotoka ungende, polê olomoko vyasyala konjo. Etatahãi olyo okuti lyatongeka. Esilivilo lipi likwete omoko kowiñi vovimbundu, okuti ka yisalasala?

Okutyukila konepa yevi twamõla kwenda twakala kimbo lUtwe Wombwa (Monte Belo), ndamõlã yimwe onjanja okuti akulu vakala lomoko vocikutu. Umwe pokati kavo walepika omoko yokulila komesa, wakwavo wakwata yina omoko yokuteta opapelo voloseketa. Ame yu ndavotola etatahãi lyange. Kuyuna onganji ndapula, wasapula okuti ocituwa comoko citunda kusyahunlu wetu, otembo vaindainda ovongende, lohele yokulingisiwa lovimgumba. Ha cimwe ko vali cakwavo, ka cilingi ocikele cokuliteywila. Eveke lyeli lisima okuti akãi ovo ka vakwete ovivela vyavo.

Nda konepa yalume ocivela cokuliteywila oomoko, akãi vavindila ohumbo vetombi. Ohumbo onguya yateliwa peka, yikwete cisoka olodiametro vitatu, lupange wokutonga olonjeke, olohumba kwenda olongalo. Pekambo lyolohumbo, akãi vakwete ofunyete. Ka vitendiwa olonjanja akãi vayula lutõi pana akuti vasandumwiwã vovongende, luloño wokutikula ohumbo vetombi lokuyitikitiya ovingumba.

Etosi lyusonehim: Elimi lyUmbundu, ndomo cikasi vukanda ulo, lyatayiwa locipango cokupenga vonjila yalulikiwa, cinene vali konepa yo «nasalação/ditongos», omo okuti ovihandeleko vyokutaya, vina tusanga mwakongamenlã volonembele (yale kwenda yisukila okumenyulwiwã) yasokiyiwa ndokulisetahãlã ndomo velimi lyoputu, muna okuti vimwe olo «fonema» ka vikasi ko, cina cikoka akuti eci nda cipopiwa ndeti, tucipopya omu ha mo ko, capyãla vali vokusonehiwã.

Gociante Patissa, comuna do Monte Belo, Bocoio 18.12.2012 – Benguela, 20.02.2015
…………………

Português| Qual é o valor antropológico da faca para os Ovimbundu?

Caros companheiros, queiram aceitar as minhas saudações. Já vai algum tempinho desde o último apontamento sobre normas e aspectos culturais da etnia Ovimbundu. Nunca é demais recordarmos que os temas que abordamos têm como ponto de partida a essência sócio-cultural, sobretudo por observação e recolha pelo interior, embora alguns    aspectos tendem a desaparecer nos centros urbanos.

O tema de hoje reside no significado e valor da palavra homónima «omoko» : (1) Nos lares, é imprescindível o objecto com que se cortam coisas. Senão, como iria uma dona de casa transformar a galinha em refeição, o peixe, arranjar carnes, até mesmo picar verduras? Como confeccionariam os artesãos as sandalhas? Como preparariam os caçadores os animais abatidos? Não é para isto que serve aquele objecto de gume e punho, que atende pelo nome de faca? (2) Por outro lado, a palavra «omoko» tem o significado de direito, prerrogativa social ou jurídica. Uma criança tem o direito de ser criada com amor, o direito de estudar. O que interessa no presente exercício é olhar para «omoko» no sentido de faca e o seu valor antropológico, no que é ilustrativo o provérbio "nda omõlã olilila omoko yoputo, ove uyavela [eci yuteta, eye mwenle].[2]


Os acordos de paz de Bicesse em 1991 entre o governo de Angola e a Unita, pondo fim à guerra civil que se arrastava desde a independência em 1975, propiciaram a primeira experiência de encontro e reencontro entre famílias angolanas, até então separadas, quer pela geografia, quer por antagonismo ideológico. Foi nessa ocasião que se despertou a dúvida de carácter antropológico que hoje abordamos, depois de uma explicação recentemente colhida junto de fontes orais no interior da província de Benguela.

Numa manhã de domingo, familiares hospedados em nossa casa preparavam-se para ir à procura de um seu tio. Eram dois jovens irmãos maiores de 18 anos, nascidos em aldeolas recônditas, órfãos de pai e rodeados de família materna. Agora no Lobito, teriam a oportunidade de conhecer o irmão mais velho de seu pai, seu pai maior, como é convencional no conceito Bantu. Só podia ser grande a ansiedade. A par do nome, a única referência que tinham da pessoa que procuravam era o nome da igreja. Sim, teriam de o achar entre a multidão num templo em pleno dia de culto.

Enquanto os observava, pus-me a protestar, enquanto guia deles, pois cada um tinha uma faca. Para quê, em dia de descanso na cidade? A minha desvantagem na troca de argumentos foi grande, uma vez menor de idade. Cheguei a calar mesmo quando um deles disse que “homem deve trazer sempre uma faca”. Porquê? Insisti, em vão. Lembrei-me no momento de que a minha mãe me tivera dito alguma vez o mesmo, e do mesmo jeito lacónico. Venci ao não deixar que levassem as facas, mas a dúvida continuou suspensa na mente. Que representa a faca para um Ocimbundu, ao ponto de nunca deixá-la ficar em casa?

De volta às vivências na comuna do Monte Belo, reparei certo dia que dois anciãos traziam faca no bolso do casaco. Um deu gume à faca de mesa, o segundo usava como canivete faca de escritório. A inquietação não se fez esperar. Para a nossa fonte, isso vem dos primórdios, quando se caminhavam longas distâncias, correndo-se o risco de sofrer assaltado. Nada mais do que autodefesa. Tolo será quem pensa que as mulheres andem desarmadas.

Se os homens trazem sempre uma faca, as mulheres têm “ohumbo” disfarçada nas tranças. Trata-se de agulha artesanal com cerca de três milímetros de diâmetro, geralmente usada para costurar sacos, quindas e balaios. Em sua ausência, bem serve um alfinete normal. E quantas não terão frustrado tentativas de assalto em viagens, sacando oportunamente da sua “ohumbo” algures sob o lenço…!

Nota do autor: A ortografia Umbundu neste texto obedece a uma transgressão consciente do autor, sobretudo na vertente da nasalação/ditongos, porquanto a regra vigente, aquela que encontramos na bibliografia cristã (completamente desactualizada) é muito colada à fonética portuguesa na qual, como bem sabemos, alguns fonemas da língua Umbundu não têm equivalente, daí alguma deturpação, se não fonética, pelo menos ortográfica.

Gociante Patissa, comuna do Monte Belo, Bocoio 18.12.2012 – Benguela, 20.02.2015



[1] Literalmente, se a criança chora por uma navalha, dá-lha; quando se ferir, terá sido por ela mesma. A Explicação: Se o orgulho impede a pessoa de ouvir conselhos, há que deixá-la com as suas escolhas. O arrependimento vem mais tarde com as consequências
[2] Literalmente, se a criança chora por uma navalha, dá-lha; quando se ferir, terá sido por ela mesma. A Explicação: Se o orgulho impede a pessoa de ouvir conselhos, há que deixá-la com as suas escolhas. O arrependimento vem mais tarde com as consequências

Sem comentários: