PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Crónica | Remando contra a maré na música namibiana

O que será que restou do pujante cantar kwanyama (oshiwambo), geração que na década de 80 nos alimentava através da Rádio Nacional de Angola, coral (à capella) rico de harmonia e conteúdo, apesar de engajado na luta pela libertação liderada pela SWAPO? É a indagação de retórica que me ocorre quando visito a vizinha Namíbia.

O meu guia despede-se com a sensação de missão mais do que cumprida, ainda por cima voluntária. Estou entregue ao taxista que atende pelo nome de DJ. Não gosto muito do nome à partida, por me soar impessoal. De temperatura ambiente vamos com 37º C. Ar condicionado? Nenhum. O vento é forte ao longo dos 60 Km entre Oshikango, no Norte, e Oshakati, no Oeste. A música é servida em tom de ralhar. O DJ não pára quieto no assento, e não é pelos saltos – a estrada até é impecável.

Entusiasmado, fala-me do êxito empresarial de um cantor. Gaza é o nome. Está perto de me chatear o volume quando ele acrescenta, orgulhoso, que o astro, a residir na capital Windhoek, é natural de Oshakati. Por acaso, dele nada sei. O DJ quase não acredita. Enfatiza que Gaza chegou a fazer dueto com algum angolano, mas ao fim de um breve esforço mental, em vão, acaba reconhecendo que afinal só o fez com sul-africanos. Neste instante, talvez para me alegrar, toca um dos mais ocos temas de Yuri da Cunha, “atchutchutcha”. Aposto que ele não percebe a mensagem, basta-lhe a batida.

Na verdade, não é exagero nenhum dizer que não há intercâmbio cultural entre as repúblicas de Angola e Namíbia, em termos de consumo de produtos artísticos, não obstante o facto de haver povos de um mesmo grupo etnolinguístico dos dois lados, com a divisão do então reino dos Kwanyama, fruto da conferência de Berlim. O facto de se falar o português de um lado e o inglês do outro poderá ser uma barreira considerável. E onde apenas o comércio fala mais alto (com os angolanos a injectarem mais receitas na economia da Namíbia do que o inverso), o intercâmbio cultural fica-se pelo superficial, com o risco de cada lado importar o que de pior o outro tem, por ser mais o visível.

Com a consagração da música electrónica nas duas últimas décadas, o mercado na região sub-sahariana destaca-se cada vez mais pela percussão do que pela harmonia, entre tambores e “beats”. Assim, os holofotes angolanos viram implantar-se aos poucos estilos dançantes, entre eles o “kwaito” e o afro-house, oriundos da África do Sul e Namíbia, lado a lado com o ku-duro. Lado a lado é uma forma generosa de colocar as coisas, tão evidente que se desenha a decadência do ku-duro, um pouco por culpa do perfil problemático e intelectualmente inconsistente de proeminentes cultores do estilo.

Nada tendo contra a ruptura estética consciente, que geralmente implica o domínio dos padrões por parte de quem impõe a nova tendência, repugna-me todavia que nos imponham como sendo do melhor que há numa determinada sociedade figuras que mal dominam o elementar do que se propõem, não nos faltando em Angola verdadeiros desastres vocais cuja visibilidade assenta em outras ideologias, que não a da arte.

No caso da minha recente visita à Namíbia, foi pois com elevada satisfação que me deparei com o trabalho da jovem Blossom (ou Ruusa Ndapewa Munalye), melhor voz feminina e prémio revelação do Namibia Annual Music Awards 2013, com o álbum “Komuthima Gwomeya”. A miúda ousa remar contra a maré do seu mercado ao apresentar um produto com estética. Tem melodia, ginga, harmonia e poesia. Uma desenvoltura que associa ao talento várias horas de trabalho e aprendizagem. Canta em Inglês e em Oshiwambo, a sua língua materna. Ah, e a esquebra: é bonita!

No Youtube degustamos os temas “indikupapatele” (soul, que quererá dizer deixa-me abraçar-te) e “ondjila yetu” (zouk, que significa o nosso caminho). Do primeiro é digno de realce o verso “you are the reason I believe in love” (tu és a razão pela qual eu acredito no amor). Se amanhã ceder às leis do mercado, que trocam a intuição criativa pela mesmice do oco exigido pelo público, a artista Blossom deverá ser “perdoada”, não é que não se tenha esforçado em remar contra a Maré.

Gociante Patissa. Oshakati, Namíbia, 20 Setembro 2015 (foto: Namibian Sun)

Sem comentários: