PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Diário | Só não digam que é fácil

Somos chamados a manter um olhar optimista, ou o silêncio por vezes, a propósito do nosso futuro enquanto sociedade, enquanto país novo. Mas não é nada fácil quando indicadores e tendências aparentam apontar para o oposto. Olhando por exemplo para a educação, faço parte dos que se devem orgulhar do seu ensino médio no que ao perfil de saída diz respeito. Os anos 90 foram em si mesmos um desafio para quem por acaso não tivesse "padrinhos" para ir estudar ao estrangeiro (Europa ou no mínimo Namíbia), um luxo que significava simultaneamente estar livre das rusgas para o serviço militar obrigatório. Estudamos em condições complexas, caminhando vários quilómetros a pé, sem manuais - porque não existiam mesmo -, apenas fascículos, nunca uniformes. O acesso a computadores era só por milagre, a Internet nem se punha. Muitos de nós tivemos de optar entre estudar e trabalhar. Ainda assim, conseguimos criar instituições, dirigir departamentos estatais, singrar em profissões mais determinantes. O país assentava sobre os ombros de técnicos médios. Quando por fim chegamos à universidade, já a vida nos tinha proporcionado uma considerável cultura geral. O sector voluntário, o da sociedade civil, que por décadas servi, era globalmente aguentado por técnicos médios. Hoje porém é com desespero que se observa o declínio em termos de perfil de saída dos nossos estudantes do ensino médio. As bases são cada vez mais fracas, títulos bwé, consistência muito coxe. É como afinal, ó sistema de ensino? Teremos de recuperar a pedagogia do chicote? Sei que o país é novo, que devemos manter um olhar optimista, só não digam que é fácil.

Gociante Patissa​, Benguela 02.09.15

Sem comentários: