PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Just a question | Os efeitos da pena de morte diferem de país para país?

Numa das habituais visitas ao site da DW (Voz da Alemanha), que tem um serviço em português que cobre o continente africano, de que gosto porque disponibiliza texto e áudio, topei com uma notícia do país irmão Moçambique, cuja oposição optou por boicotar a visita do presidente da Guiné-Equatorial, Teodoro Obiang. A Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), maior partido na oposição em terras de Machel, justifica, na voz da sua chefe da Bancada, Ivone Soares, que "não se compactua” com países ou personalidades que vêm na pena de morte” ou no "golpe de Estado uma solução”. Por seu turno, o repúdio do MDM (Movimento Democrático de Moçambique) veio do deputado José de Sousa, estranhando que se tenha convidado um "indivíduo que defende aquilo que a nossa Constituição" - disse - "não permite, por exemplo, a pena de morte”. Há naturalmente outros defeitos que se apontam a Obiang e seu regime, mas fazer este estardalhaço contra a pena de morte da Guiné-Equatorial, quando se é parceiro de relações formidáveis com os Estados Unidos de América (que não tem dado grandes sinais de abolir a mesma medida), dá assim uma ideia de contrassenso. Por acaso os deputados reagiriam da mesma forma se a visita fosse de um chefe de Estado americano? Fica a questão de retórica. Ainda era só isso. Obrigado.   www.angodebates.blogspot.com

Sem comentários: