PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 24 de maio de 2015

Diário | Uma causa sem ideologia?

Uma causa sem ideologia? Foi a questão que me coloquei a mim mesmo logo que tive acesso às notícias que davam conta de que o grupo armado "Estado Islâmico" assumia a autoria do ataque à bomba, no passado dia 22/05, a uma mesquita xiita no leste da Arábia Saudita, com o saldo de feridos e mortos que isso implica.

Sobre o grupo fundamentalista e a sua extensa lista de acções antropófagas já chegamos ao limite do surreal no que se podia assistir nesta era cibernética. Na minha condição de observador leigo em matéria de ciências políticas, julgava que o grupo sonhasse com a implantação de um estado islâmico na região. É o que o nome do movimento dá a inferir. É o que a destruição de patrimónios materiais e imateriais de outras culturas transmite. 

É claro que nenhuma retórica de ideais e humanismo faria sentido quando a prática diária é brutal. E não sendo possível outro sentimento que não o repúdio diante de tanta barbárie, ficava a ingénua esperança de que lhes restasse um mínimo sentido de reserva ideológica, algo que se lhes afigurasse sagrado, digno de ser poupado. Ora, a existir, esta reserva seria a religião, o islão e seus espaços sagrados, que por sinal são milenares e espalhados um pouco pelo mundo.

Parece-me a mim que esta explosão por um homem armadilhado dentro de uma mesquita, o templo do islão, em pleno horário de adoração, tão depressa reivindicada como victória (o que vincula o núcleo do EI), só vem reforçar a ideia de que o "Estado Islâmico" é movido por uma causa cuja ideologia é a demonstração de força bélica, nada mais. E uma causa sem ideologia é estéril.
Gociante Patissa, Aeroporto Internacional da Katombela, 24.05.15

Sem comentários: