PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Crónica| O diálogo impossível entre a ponta do fuzil e a da caneta: atentado em Paris como incontornável ponto no ensino de jornalismo


Que lição tem o mundo a ensinar a quem sonha abraçar o jornalismo? Que é por definição um exercício de coragem, os manuais estão já fartos de postular. Que os jornalistas vêm sendo ao longo dos tempos alvos de actos intimidatórios e por vezes letais, é um quadro com o qual não nos podemos conformar.

É o mínimo que nos resta, antes de declararmos a falência da humanidade, acreditar no que de mais nobre devia prevalecer no bicho homem. Outras vias constroem mais quando é para superar diferendos, ou não fosse o profissional de informação um ser passível de cometer erros e excessos, às vezes também, de prejuízos irreversíveis.


A ponta do fuzil é de longe desproporcional à da caneta, a começar mesmo pelos respectivos diâmetros. Se o ano 2014 já não chocou pouco o mundo com a decapitação de jornalista por aquela organização escusada de publicitar nestas linhas, 2015 parece surgir com um agoiro ainda mais macabro. Só no sétimo dia, e em cinco minutos, perderam a vida 12 pessoas em atentado relacionado à actividade de jornal satírico.

O jornalismo ganha, assim, pela negativa, um marco sonante de reflexão, quanto mais não seja, por não ser desta vez (ao contrário do temor clássico) uma represália que tenha como patrocinadores da conspiração os poderes militar, económico e/ou político. Desta vez o mote é uma pessoa concreta para uns, abstracta para outros. Desta vez, o argumento (com toda a isenção que se nos exige, apesar da dor e o luto que a circunstância impõe) recai para o encontro entre dois extremos: por um lado, o da intolerância religiosa, com a considerada humilhação sistemática à figura do profeta Maomé, já pelo outro, o da intolerância considerada como sendo relativa à liberdade de imprensa.

Mais tarde ou mais cedo os suspeitos chegarão às mãos das autoridades e pela justiça serão punidos ou então, no pior cenário, calados por um abate a tiro. Não é a primeira vez que tal colisão fatal ocorre e seria ingenuidade acreditar que estejamos perto do fim. Mas o que se pode para já tirar como ilação desta tragédia ao conselho de redacção do Charlie Hebdo é que urge a massificação do debate sobre questões dos direitos de cidadania, a integração intercultural e a noção de limites.

Olhando para alguns cartoons, sem qualquer intenção de culpabilizar os mortos, inevitável se torna considerar o dilema entre o direito (inalienável) à liberdade de expressão e os direitos (inalienáveis) à dignidade e à crença. Pelos óculos da minha própria cultura e alguma herança cristã, não se imagina ilustrar uma pessoa (seja um presidente da república, seja um mendigo) com os órgãos genitais expostos. Será tabu, será censura? Se calhar, sim. Devo cobrar o respeito pela minha crença aos outros? E os outros? Podem publicitar a sua aversão à minha susceptibilidade como sendo algo normal? Teria a sátira uma liberdade ilimitada? Só a lei de cada Estado diria. O certo mesmo é que nenhuma violência justifica a virtude de protesto algum.

No meio de tudo isso, lamenta-se ainda o risco de piorar a já complexa questão da cada vez mais denunciada discriminação por cidadãos franceses de origem magrebina, vindo a, como dizia uma antiga professora minha, “pagar o justo pelo pecador”.

Gociante Patissa, Luanda 8 Janeiro 2015

2 comentários:

"Soberano" Canhanga disse...

Profundo e assertivo. Parabéns, Patissa.

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

Obrigado, confrade Canhanga. Aquele abraço