PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Outro poema, onze anos depois

A primeira vez que concorri a um prémio de poesia foi em directo ao telefone, salvo erro em 2003 sobre o dia de S. Valentim, num programa dominical da Rádio Morena conduzido por Zé Manel (que veio a ser no ano seguinte meu professor de locução/redacção noticiosa na "obra" da Rádio Ecclesia). O prémio é que foi uma desilusão, um paninho com desenho de coração, algo que em meu entender custava mais barato do que um lápis a carvão. Pronto, valeu a publicidade, afinal é aos poucos que se vem fazendo o caminho. O poema intitula-se "Sonhos de Rua", que veio mais tarde a ser publicado no meu livro de estreia, Consulado do Vazio, poema este que inspirou peça teatral de um grupo luandense, que julgo tê-lo achado no blog Angodebates (nunca houve da parte deles a honestidade de fazer uma simples notificação ao autor). Volvidos onze anos, o patrão actual anunciou um concurso de artes, onde arrisquei com uma fotografia e um poema, os quais deviam ser construídos sobre determinadas palavras, cerca de seis, sem descurar das dimensões estética e social. Veio depois um e-mail corporativo com a indicação do primeiro lugar ao poema inédito de "sua excelência eu". Perdi na fotografia. Quer dizer, Onze anos depois, outro poema nosso é distinguido. Há todavia uma diferença, é que desta vez não procurei saber o tipo nem o valor do prémio, que chega dentro de dias. O patrão é que sabe, muito mais agora que se ficou a saber do que a pessoa sabe.

Sem comentários: