PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Diário | PARA QUE SERVE A NOITE ENTÃO, AINDA TE LEMBRAS?!

(I)
“Mas, ó marido! Eu já ando muito farta deste teu amor aos pedacinhos!…”
“Isso são modos de se exprimir, ó bebé?”
“Você me desculpe, mas ninguém entra num casamento para merecer isto!…”
“Mas a que propósito vem este desabafo?”
“Me fala só: ainda te lembras da última vez que te deixaste achar na cama à hora do galo cantar?”
“Até me sinto mal. Por que é que não falaste mais cedo? Será que te faço faltar amor?”
“Hum…”
“Meu bem, ainda há pouco fizemos amor…”
“Mas a que custo, homem?! Tivemos de mandar as crianças irem brincar na rua, com o risco de atropelamento…”
“Mas foi bom, não foi? Diz que sim, querida, eu adoro ver-te no pico dos teus prazeres…”
“É sempre assim. É que eu não percebo, sinceramente, esta vida de amor aos pedaços. Caramba! Para que serve a noite então, ainda te lembras?!”
“Querida, são ossos do ofício. Não é fácil ser jornalista neste país onde as fontes se fecham mais rápido do que o instintivo pestanejar. Então é pela noite, já desligado dos medos do escritório, que se conseguem furos. No bar, na discoteca, na praia, enfim…”
“E na putaria também, não é isso, meu amor?…”
“Por tudo o que é mais sagrado!, eu sou fiel. Fiel a ti e fiel à profissão. Apenas jornalista… E jornalista é vinte e quatro horas por dia, querida. Peço compreensão, por favor…”

(II)
“Aló, mulher, preciso de ti, estou a morrer!!! Áááiii! Fala só com o teu pai, faz favor…”
“Aló, marido. Não se ouve bem. O é que se passa? O mundo acaba hoje ou quê?!”
“Fui assaltado no escuro – ááiii, dói muito! – Levei uma faca do peito! Preciso de dinheiro urgente para ser atendido aqui na clínica… – ááiii”
“Mas a esta hora vou acordar o meu pai?! E se ele estiver a marejar no milagroso casulo de quem ao seu lado dia-a-dia acorda?”
“Faz favor só… – ááiii, dói horrivelmente!”
“Liga para a ENSA, querido…”
“Não tenho seguro de saúde, filha. Senão já o saberias…– ááiii - Eu não te escondo nada...”
“Mas não ligas para o teu patrão no jornal então porquê?!”
“Não é possível, eu ganho por cada reportagem. O esfaqueamento foi antes de colher a matéria, e como não há nada a publicar, portanto – ááiii – não tenho direito à avença…”
“Ai, afinal só em casa é que és jornalista vinte e quatro horas por dia?!”

Gociante Patissa. Aeroporto Internacional da Catumbela, 23 Jan 2017
www.angodebates.blogspot.com

Sem comentários: