PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Divagações | Aquele conto que só surge quando o livro já vai adiantado no prelo

Pela segunda vez, sua excelência eu vive a emoção de missão cumprida, na sua faceta de escriba. É o segundo desafio que me é colocado para criar com base na história de uma mulher. O conto está pronto e eu próprio estou satisfeito com resultado. Tem quatro páginas A4 e intitula-se «NÃO LAVEI PORQUE OS FIOS TÃO OCUPADOS», construído com base na relação entre uma jovem patroa e a sua empregada doméstica, assente no realismo social, um toque de drama/comédia também. A primeira experiência foi com A ALMA GÉMEA DO MAR, inserta no livro FÁTUSSENGÓLA, O HOMEM DO RÁDIO QUE ESPALHAVA DÚVIDAS (2014). Agora é este conto com o qual penso "aborrecer" os editores com o pedido de o inserir no O MOÇO QUE PLANTAVA AVES, que tem já a edição em curso simultaneamente no Brasil (pela PENALUX, dos notáveis Wilson Gorj e Tonho França) e em Angola (pela EDITORA ACÁCIA, ligada ao Movimento Lev'arte, cujo contacto é o não menos notável Kiocamba Cassua Cassua). Confesso que tenho este defeito de nunca parar de aprimorar os textos, mesmo depois de aprovados, o que imagino não ser confortável para quem tem de ir fazendo actualizações ao miolo. Voltando ao exercício oficinal que parte da "encomenda", normalmente os relatos verdadeiros são curtos e servem apenas de trampolim para dar azo à imaginação. A grande dificuldade mesmo é pôr-se na pele de mulher, vestir-lhe as emoções, as dores, as alterações hormonais de humor, o absorvente menstrual, morar no outro lado das barreiras baseadas no género, enfim, aquela ubiquidade que nunca poderemos experimentar (enquanto masculinos). Ainda era só isso. Obrigado

Sem comentários: