PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Parece ser o caso (como diz a sabedoria popular) de a flecha que sai torta não alcançar o alvo com eficácia | RTP suspende emissão da novela «Jikulumessu»

"A RTP decidiu apostar na novela angolana Jikulumessu para as noites do canal 1 de terça a sexta-feira. A estreia ocorreu no dia 26 de maio, mas devido aos baixos resultados obtidos (uma média de 100 mil espectadores por episódio), A estação pública portuguesa (RTP) decidiu suspender a emissão da mesma, revela na edição desta sexta-feira o site da Televisão." Ler mais aqui

Na sequência, a actriz Marta Faial, citada pelo Jornal i lamentou da seguinte forma: “É com muita tristeza que partilho esta notícia aqui. Só posso agradecer a todos aqueles que, com as constantes mudanças de horário, falta de promoção (entre outros), não deixaram de nos seguir. Muito ainda estava para vir!”, começa por escrever, acrescentando: “Foi um projecto feito com muito trabalho e dedicação, com pessoas maravilhosas que deram o coração, o que tinham e não tinham para passar um pouco da realidade Angolana para os ecrãs através da ficção. Um projecto que se regia pela qualidade, pela exigência e pelo risco de algo novo e diferente. Foram só entre 240 mil e 100 mil espectadores em média que seguiram Jikulumessu e isso não chega a um canal que diz não ter interesse nas audiências mas sim na qualidade. Fora o desrespeito pelos espectadores que seguiam este projecto e que nem há comunicado por parte do canal tiveram direito. Pouco há a dizer”, garante.


Bem, eu (GP) que não tenho parabólica em casa, das vezes que vou a casa de um familiar, não teria dúvida nenhuma de escolha entre a série portuguesa "Bem-vindos a Beirais" e a novela angolana "Jikulumessu". O primeiro produto, mesmo retratando realidade alheia, é de longe muito mais educativo e sóbrio do que o segundo. Os portugueses, neste caso, dão um sinal de como afinal certas "sofisticações" fazem mal aos olhos, pelo que preferiram mesmo nem sequer os abrir.

Sem comentários: