quinta-feira, 15 de julho de 2021

Editorial | AGORA É TRIMESTRAL

 


Pensar que chegamos à quarta edição da Gazeta Lavra & Oficina nesta sua 3.ª temporada é reviver o conto em torno de  Kandumbu,  uma  figura  do  interior  rural  de Benguela que derivaria da aglutinação do pref ixo “ka” (diminutivo) e “ndumbu” (leão), ou seja Leãozinho, conforme a narração vívida do tio Henrique Avindo Manuel (já falecido) que vinha dos fundos da Ganda. 

Corriam tempos de seca, de carência e de pirão sem conduto. Verduras com sabor de bílis, ratos fugindo às  armadilhas  como coelhos ao caçador. Caças nem por milagre! Nessa conjuntura campestre, surge um certo dia que coloca Kandumbu no caminho de uma família com abastança ou ao menos em ambiente festivo. Ressoavam os batuques em tons preparativos para a noite que  seria  inesquecível,  mulheres  cuidavam  dos comeres e beberes e da ninhada. Sempre, né?

 

 Naquele preciso momento, coincidira que uma cabeça de gado bovino começasse a ser talhada. Quem dera a Kandumbu poder desenferrujar os maxilares, daria o pulmão por um naquinho! Mas lá se conteve, até ver, não é? Bem desviava o olhar. Era deselegante mendigar e, segundo os costumes da sua etnia, “o que é alheio disse ‘olha-me’; não disse ‘me comenta’”. Provérbio, se não conduz, condena. Mais alto porém falou o estado de necessidade. E era aí que começava o dilema. Pedir o quê se a anatomia do animal encerrava em si uma simbologia quanto ao valor das suas peças e o mérito do seu consumo? Além do mais, não conhecendo os convivas, menos ainda a quantidade daqueles, para daí inferir se havia carne que chegasse para todos, valia a pena?

 

Depois de muito se debater, Kandumbu saudou, no que foi muito bem correspondido. De seguida, desculpando-se pela invasão requisitou, humilde, um pouquinho para saciar a fome, ao menos os testículos do boi, faz favor. E de pronto foi atendido. Foi então que, arrependido, pôs a mão na cabeça. Oh, eles afinal nem eram avarentos! Que burro fui, que não pedi uma peça mais valiosa, um bife, um coração?! Era só questão de tentar, a audácia faria toda a diferença. 

 

Diferente de Kandumbu fez a União dos Escritores Angolanos que (embora desprovida de orçamento para a impressão ou recrutar uma equipa editorial que  se dedicasse  a tempo integral)  teve  a  audácia  de  retomar  a  Gazeta, duas décadas após a hibernação do seu veículo convencional de literatura, artes e ideias, pelas mesmas razões. O período experimental de  quatro  edições,  iniciado  em  Setembro  de 2020 no formato digital apenas, permitiu-nos diagnosticar as nossas limitações, aplaudir as colaborações e solidificar a certeza de que o projecto era para ontem. Com o fim do período experimental, a Gazeta passa a sair trimestralmente a partir do próximo número.

 

E  na  dinâmica  de  contar  apenas  com  a  prata  da casa (UEA), face à dialéctica de conciliar a missão Gazeta com outros deveres profissionais, não estranhe, pois, o caro leitor que determinadas  secções  a  dado  momento  sejam  assinadas por outros rostos. É o que poderá ocorrer com a secção do editor-chefe, que vinha sendo regularmente assumida pelo membro Gociante Patissa. A propósito aproveitamos para exprimir o vivo reconhecimento a todos e todas (membros e não membros) que vêm enriquecendo a Gazeta ao longo das suas quatro décadas de vida!


Na presente edição, dedicada ao tema  Letras & Liberdade, honramos a promessa de trazer textos que não couberam na edição passada, dedicada ao  Espaço da Mulher na Literatura Angolana. 

  

Até Outubro!

 

Gociante Patissa

Jornalista/Escritor/Linguista (gociante.patissa2@gmail.com)

Share:

0 Deixe o seu comentário:

TV-ANGODEBATES

Escritor angolano GOCIANTE PATISSA entrevistado em língua UMBUNDU na TV estatal 2019

Escritor angolano Gociante Patissa sobre AUTARQUIAS em língua Umbundu, TPA 2019

Escritor angolano Gociante Patissa sobre O VALOR DO PROVÉRBIO em língua Umbundu, TPA 2019

Lançamento Luanda O HOMEM QUE PLANTAVA AVES, livro contos Gociante Patissa, Embaixada Portugal2019

Voz da América: Angola do oportunismo’’ e riqueza do campo retratadas em livro de contos

Lançamento em Benguela livro O HOMEM QUE PLANTAVA AVES de Gociante Patissa TPA 2018

Vídeo | escritor Gociante Patissa na 2ª FLIPELÓ 2018, Brasil. Entrevista pelo poeta Salgado Maranhão

Vídeo | Sexto Sentido TV Zimbo com o escritor Gociante Patissa, 2015

Vídeo | Gociante Patissa fala Umbundu no final da entrevista à TV Zimbo programa Fair Play 2014

Vídeo | Entrevista no programa Hora Quente, TPA2, com o escritor Gociante Patissa

Vídeo | Lançamento do livro A ÚLTIMA OUVINTE,2010

Vídeo | Gociante Patissa entrevistado pela TPA sobre Consulado do Vazio, 2009

Publicações arquivadas