domingo, 6 de fevereiro de 2011

Luto na UEA: poeta Kunduma morre em acidente na estrada

(Texto da Angop) O poeta angolano Cândido da Silva “Kunduma” morreu na madrugada deste sábado, em Viana, Luanda, vítima de acidente de viação.

Kunduma, como é conhecido nas lides artísticas nacionais, era membro da União dos Escritores Angolanos (UEA), integrando a sua comissão executiva e ocupando o cargo de secretário para a administração e finanças.

A informação foi avançada hoje, domingo, à Angop pelo secretário para as relações exteriores da UEA, Albino Carlos, que diz tratar-se de uma grande perda para o mundo das letras angolanas.

Segundo o responsável, Kunduma era uma das revelações de poetas angolanos, tendo-se destacado entre a nova geração de escritores e provando a firmeza e qualidade dos escritos da nova geração.

“A sua morte representa um grande vazio no mosaico cultural angolano e fundamentalmente, tendo em conta o processo de renovação que vem decorrendo no mundo das letras no país com a entrada em cena de jovens com muito talento, que deram a literatura angolana uma perspectiva mais virada para o questionamento do ser do angolano”, reafirmou o responsável.


Actualização1 (Texto da UEA):



Biografia


Kunduma nasceu em Luanda, no último ano da década de 50 e faz parte da geração de jovens forjados no período pós – independência de Angola.
Fez Mestrado em Administração Geral Marítima no Reino da Suécia em 1986, com a defesa da tese “Maritime Transportation State Control”.
É Membro da união dos Escritores Angolanos, da Associação dos Economistas Angolanos, e Chefe do Sub-sector da Marinha Mercante junto da SATCC (SADC).
Obras publicadas, tem duas. É Mentira, publicada em 1997, e Aconteceu, publicada quatro anos depois, portanto, em 2001, Calamidade 2003.
O grupo do velho Ngongo chegou à sanzala que pretendia visitar. Porém eles não Acreditavam o que os seus próprios olhos viam no local visitado. Encontraram uma enorme multidão aí concentrada, nunca antes observada na respectiva sanzala e locais circundantes. O que mais os surpreendeu, foi a presença em massa de indivíduos que vinham das cidades. O numero de pessoas provenientes das outras sanzalas e das aldeias vizinhas era inferior em relação aos citadinos. Eram crianças, jovens, adultos e velhos de ambos os sexos, vestidos, de acordo com as suas origens. Enquanto a maior parte dos camponeses trajavam panos para cobrir a parte inferior dos seus corpos e apresentavam-se de tronco nú, as suas senhoras vestiam-se de panos e quimones e andavam descalças como os homens da localidade porquanto, estes só usavam calças e camisas normais quando convidados para participarem em cerimónias importantes, como por exemplo, receber uma ilustre visita ou ir às cidades próximas para venda dos seus produtos conforme os europeus.
Tais gentes eram operários, privados, funcionários públicos e religiosos. Chegavam de viaturas ligeiras, autocarros, motorizadas e inclusive de bicicletas. O estacionamento dos seus meios rolantes era feito de forma anárquica, o que dificulta ainda mais a movimentação das pessoas na sanzala. Mais tarde, as pessoas a construir grupos de acordo com os seus princípios religiosos, educacionais e cívico.
Extracto de um texto In: “Aconteceu” Capitulo III, p49.50.
Aconteceu, segunda obra de Cândido Pedro Tomás da Silva, é assim analisada pelo Escritor João Melo: “Esta segunda obra trata-se de um conjunto de três estórias que se entrelaçam, melhor, que se colam umas às outras, mas que a meu ver, não chegam a construir um romance -, ganharia alguma coisa, penso, se o autor acrescentasse um ponto de interrogação ao título. Isso reforçar-lhe-ia o tom de relativa ambiguidade já presente, como disse, na sua estrutura, o que é sempre um interessante recurso literário...
Há entretanto, um procedimento do autor que chamará certamente a atenção dos leitores. Trata-se da transposição de estórias ou factos aparentemente localizados em épocas passadas (durante a colonização portuguesa?) para o actual cenário reinante no país, no qual pontifica a guerra fratricida que nos divide e dilacera desde a independência, sem esquecer, também o fenómeno do bom religiosos verificado nos últimos dez anos, com todas as suas grandezas e misérias. Esse procedimento diga-me não é um mero exercício de estilo. Assoma, por detrás dele, uma finalidade, digamos assim, cívico-pedagógica: dar lições aos leitores, á boa maneira das estórias tradicionais (e também – será isso apenas uma coincidência? – da herança socialmente comprometida da própria literatura angolana moderna). Mais uma vez, portanto, Kunduma prefere ser coerente consigo mesmo, do que arriscar-se por exercícios formais modernos”
UEA-Digital, Seomara Santos
Share:

1 Deixe o seu comentário:

Valdecy Alves disse...

Nietzsche dizia que o mundo é um imenso pântano e que a arte é a orquídea colorida e bela que nasce no alto da árvore podre.
Digo então que BLOGS DE POESIA SÃO ORQUÍDEAS NO PÂNTANO DA WEB.
Convido a ler poesia da minha autoria, escrita ontem 05/03/2011. Se gostar comente e divulgue:
http://valdecyalves.blogspot.com/2011/03/canto-vida-peregrina.html

Lançamento em Benguela livro O HOMEM QUE PLANTAVA AVES de Gociante Patissa TPA 2018

Vídeo | escritor Gociante Patissa na 2ª FLIPELÓ 2018, Brasil. Entrevista pelo poeta Salgado Maranhão

Vídeo | Sexto Sentido TV Zimbo com o escritor Gociante Patissa, 2015

Vídeo | Gociante Patissa fala Umbundu no final da entrevista à TV Zimbo programa Fair Play 2014

Vídeo | Entrevista no programa Hora Quente, TPA2, com o escritor Gociante Patissa

Vídeo | Lançamento do livro A ÚLTIMA OUVINTE,2010

Vídeo | Gociante Patissa entrevistado pela TPA sobre Consulado do Vazio, 2009

Publicações arquivadas