quinta-feira, 23 de maio de 2019

“Como escrever sobre África” (fragmentos) ensaio do escritor queniano, Binyavanga Wainaina (18 Jan. 1971 – 21 Mai.2019)


Use sempre as palavras “África’:”escuridão” ou “safari” no título. Os subtítulos podem incluir termos como “Zanzibar”, “massai”, “zulu”,”zambezi”,”Congo, “Nilo,”grande, “céu”, “sombra” “tambor” “sol” ou “antigo”;

No texto, há que tratar África como se fosse um único país;

(Texto original em inglês publicado pela revista Granta, n.º 95, UK, 2005. Foto: Simon Maina/AFP/Getty Images

Certifique-se de mostrar como o africano tem enraizados a música e o ritmo na alma e come coisas que nenhum outro ser humano come. Não mencione arroz e carne e trigo; O miolo de macaco é o prato africano de eleição, juntamente com cabrito, cobra, vermes e larvas e todo o tipo de carne de caça;

Evite os personagens africanos alegres ou que lutem para escolarizar os filhos (…). Faça com que iluminem algo sobre a Europa ou a América na África. O maior tabu em escrever sobre a África é descrever ou mostrar pessoas brancas mortas ou que sofrem;

O cidadão africano moderno é um homem gordo salafrário que trabalha no departamento de emissão de vistos; As personagens devem ser coloridas, exóticas, maiores do que a vida - mas vazias por dentro, sem diálogos;

Personagens africanos podem incluir guerreiros nus, servos leais, adivinhos e videntes, sábios antigos vivendo em esplendor hermético. Ou políticos corruptos, ineptos guias de viagem polígamos e prostitutas com quem você dormiu;

Estabeleça desde o início que o seu liberalismo é impecável, o quanto você ama a África, como se apaixonou pelo lugar e não pode viver sem ela. A África é o único continente que você pode amar - aproveite isso. Se você é um homem, empurre-se em suas quentes florestas virgens. Se você é mulher, trate a África como um homem que usa uma jaqueta e desaparece no pôr-do-sol. A África é digna de pena, adorada ou dominada. Seja qual for o ângulo que você tomar, não se esqueça de deixar a forte impressão de que sem a sua intervenção e seu livro importante, a África está condenada.

São temas tabus: cenas domésticas comuns, amor entre africanos (a não ser que haja uma morte na história), referências a escritores africanos (…) Descreva, em detalhe, os peitos nus (jovens, velhos, conservadores, recém-estuprados, grandes, pequenos), os genitais mutilados ou os genitais avantajados;

Os leitores vão ficar desapontados se você não mencionar a luz de África. E o pôr-do-sol: o crepúsculo em África é indispensável, sempre grandioso e vermelho;

Termine o texto com Nelson Mandela dizendo algo sobre arco-íris ou renascimento.
Share:

0 Deixe o seu comentário:

TV-ANGODEBATES

Escritor angolano Gociante Patissa sobre AUTARQUIAS em língua Umbundu, TPA 2019

Escritor angolano Gociante Patissa sobre O VALOR DO PROVÉRBIO em língua Umbundu, TPA 2019

Lançamento Luanda O HOMEM QUE PLANTAVA AVES, livro contos Gociante Patissa, Embaixada Portugal2019

Voz da América: Angola do oportunismo’’ e riqueza do campo retratadas em livro de contos

Lançamento em Benguela livro O HOMEM QUE PLANTAVA AVES de Gociante Patissa TPA 2018

Vídeo | escritor Gociante Patissa na 2ª FLIPELÓ 2018, Brasil. Entrevista pelo poeta Salgado Maranhão

Vídeo | Sexto Sentido TV Zimbo com o escritor Gociante Patissa, 2015

Vídeo | Gociante Patissa fala Umbundu no final da entrevista à TV Zimbo programa Fair Play 2014

Vídeo | Entrevista no programa Hora Quente, TPA2, com o escritor Gociante Patissa

Vídeo | Lançamento do livro A ÚLTIMA OUVINTE,2010

Vídeo | Gociante Patissa entrevistado pela TPA sobre Consulado do Vazio, 2009

Publicações arquivadas