PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Divagações | Um olhar diferente ao 4 de Abril, Dia da Paz em Angola

O Dia da Paz é já por mérito próprio um ponto de interrogação que se impõe relativamente à necessidade de transpor a cortina que teima em relegar para o esquecimento patriotas que deram o litro por Angola nos diversos domínios do país antes de 2002. Por razões históricas, recomenda-se que a "Nova Angola", seus marcos e protagonistas não se dissociem dos ciclos de avanços e recuos que antecedem o fim das armas, sabido que é que a história de um povo deve resistir ao risco da fragmentação.

Declaração de interesse: Para a paz de Angola, conquistada com lutas e guerras, contribuíram Manuel Patissa (dirigente evangélico preso político enviado à cadeia de São Nicolau, hoje Bentiaba, entre 1961-1966) e o seu filho Victor Manuel Patissa (Comissário Comunal da Chila, Bocoio, e Equimina, Baía Farta, e no mesmo município com a mesma categoria só que designação diferente, administrador da Kalahanga). Como digo num conto no prelo, a história dos grandes já foi escrita, teremos um dia de escrever sobre os pequenos. O 4 de Abril tem de se elevar ao nível de congregador de memórias de todo um processo de lutas, não havendo lugar para fragmentos.

Sem comentários: