Edição angolana do livro de contos

Edição angolana do livro de contos
Edição angolana do livro de contos

PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 21 de maio de 2018

“SE TU NÃO ÉS KIZOMBEIRO, ÉS AFASTADO”, KATILIANA | Grande entrevista exclusiva com a cantora (2ª parte)


Aos 18 anos despontou para o estrelato ao participar em concursos musicais com a envergadura que se pode imaginar de estações como a SIC e a RTP. No primeiro, buscando vingar nos “Ídolos”, no segundo, chegando à final da “Operação Triunfo”. É da angolana Katiliana Kapindiça que falamos, formada em música pela Universidade de Leeds, na Inglaterra, e dona de uma plasticidade interessante. Vocalista, já fez coros para um dos elementos Semba Master, Lanterna. Fez ainda “algumas coisinhas”, assim lhes chama, no hip-hop, para além da participação numa música gospel de Jeff Brown e Jay Lorenzo. Tem em vista um CD mas nisso vai com cautela, acredita que precisa de divulgar mais o seu trabalho, uma lucidez de quem afinal já apagou 30 e tal velas. De volta há dois anos ao país que a viu nascer, vai-se dando a conhecer no areópago artístico por conta do seu vozeirão e energia em palco. Nesta segunda parte da grande entrevista exclusiva que concedeu ao Blog Angodebates, Katiliana, com a sempre invejável perspicácia, critica vícios dos meandros do mercado musical, vícios estes que tanto excluem, como empobrecem o crescimento.
 _____
OUVIR O ÁUDIO
_______
Blog Angola, Debates & Ideias (Angodebates): A outra pergunta que eu ia colocar é a seguinte: em tempos a TPA passou um show de jazz, creio, de vários artistas e uma delas é a Katiliana. Há, assim, entre nós uma tendência de associar a marca artística Katiliana ao jazz. Com que estilo é que mais se identifica? Como é que posiciona?

Katiliana: É assim, eu acho que sou uma ecléctica, não é? Se me perguntares, por exemplo, fora do jazz ou fora do soul music ou, por exemplo, do blues ou da nossa kilapanga, masemba, a própria música que o Ndaka faz (que é muito riquíssima), não vai acreditar. Mas eu gosto de ouvir coisas assim completamente que não têem nada a ver comigo…

Angodebates: Coisas assim experimentais?

Katiliana: Vou-lhe dar um exemplo, o heavy metal. Eu oiço, mas não oiço no sentido de gostar, mas sim no sentido de auto-didáctico…

Angodebates: Ouvir para pesquisar?
 
Katiliana: Pesquisar por que é que eles fazem aquele estilo de música, as mensagens são muito obscuras, são muito obscenas, são muito associadas à religião, portanto criticar a religião, está a ver? E eu gosto muito de pesquisar sobre estes assuntos bastante pertinentes.

Angodebates: A sua família como é que olha para a sua carreira, como é que olha para os desafios, a própria envolvência musical, por exemplo estar neste momento em Benguela? Ou seja, recebe apoio, recebe aceitação?

Katiliana: Muuuuito! Às vezes, se calhar, eu penso que eles é que são as Katilianas e eu sou…

Angodebates: Já tem família própria?

Katiliana: como?

Angodebates: Já tem família própria, constituída?

Katiliana: Não, ainda não. Não sou casada e ainda não tenho filhos.

Angodebates: Pois, isso se calhar dá-lhe um bocadinho mais de flexibilidade?

Katiliana: A minha família… eu tenho pessoas da família que também cantam…

Angodebates: Ai, é? Qual é o grau de parentesco com essas pessoas?

Katiliana: Tios-avôs. O Elias Dya Kimwezu também. Ele é como se fosse assim um primo como irmão do meu pai. Da parte do meu pai. Da parte da minha mãe tenho a tia Lourdes Van-dúnen (falecida). Ela era minha tia-avó.

Angodebates: Então é uma questão genética, não é?

Katiliana: Pois. Mas, pronto. Assim da família mais próxima é portanto o pai, a mãe, os primos assim mais próximos, estão sempre a apoiar, estão sempre a ajudar. Inclusive houve uma altura da minha vida que eu acho que a música já não era uma grande prioridade, e eles foram assim uma fonte fortíssima para me dar apoio. Porque eu disse que não, já não quero mais cantar.

Angodebates: Essa desmotivação era porquê?

Katiliana: Eu acho que era por causa da persistência também, porque chega uma altura em que tu na vida tens de dar prioridade a outras coisas, não é?

Angodebates: Qual é a sua área de formação?

Katiliana: Gestão internacional de hotelaria e viagens.

Angodebates: Wow! Mas isso também acaba por alargar o seu horizonte…

Katiliana: Também.

Angodebates: Uma visão mais cosmopolita das coisas?

Katiliana: Mas eu fui mais por uma segunda opção.

Angodebates: Qual seria a primeira?

Katiliana: Música! Então acho que pelo facto de estar sempre a tentar, a lutar, embora desenvolvi muito a parte pedagógica, não é? Quando eu fui para a Inglaterra, fiz o meu curso de jazz…

Angodebates: Quanto tempo é que ficou na Inglaterra?

Katiliana: Fiquei quase dez anos.

Angodebates: Eh pá! É mesmo cosmopolita, ou um pouco mais do que isso. (risos)

Katiliana: Também. Formei-me lá. Mas, lá está, é aquilo que eu disse. Eu sou uma cidadã do mundo, eu não esqueço...

Angodebates: As raízes?

Katiliana: Exacto, aquilo que me identifica. Devo confessar que houve uma altura, depois de muito tempo não estar aqui na terra, que eu cheguei a uma altura mesmo de não me auto-identificar como angolana.

Angodebates: Pois. A distância tem esse efeito.

Katiliana: Tem muito este efeito.

Angodebates: Várias vezes, as notícias que nos chegam são sempre negativas…

Katiliana: E não só isso. Sabes que na Europa, a imagem conotada que eles têem de África…

Angodebates: É de desgraças?

Katiliana: Não. É de um menino pobrezinho, esqueleto sem pele, que não há nada. Já me perguntaram se havia cadeiras aqui…

Angodebates: (risos) Estou a perceber. É uma distorção da imagem do africano.

Katiliana: Por exemplo a Inglaterra é muito assim.

Angodebates: O exotismo?

Katiliana: Como é África? Aquilo é só savanas, leões?

Angodebates: Também os que vêm de lá vão para a Namíbia e fazem aquelas fotos que saem em revistas exóticas, não é?

Katiliana: Ah, vocês têem cadeiras? Vocês têem carros?

Angodebates: E como é a reacção da Katiliana a este tipo de mais ou menos provocação indirecta?

Katiliana: Acho que nem tudo é uma questão de provocação, é mesmo falta de informação. Porque as pessoas até estão interessadas em querer saber sobre a África, porque dão muito aquelas imagens, as pessoas seguem muito o National Geographic, as savanas, principalmente no Gana, África do Sul, também já vieram gravar aqui em Angola. Então passam muito essas imagens. Ou seja, eles nunca dão muito a parte…

Angodebates: Do desenvolvimento urbano?

Katiliana: Exacto, a parte do desenvolvimento urbano, é mais o rural, reservas naturais. Eles adoram isso, gostam disso. Só que também ficam numa de ‘espera lá, só isso que existe? Será que as pessoas lá só andam mesmo de’… Como é?…

Angodebates: De tangas?

Katiliana: …Pois. De tanguinhas e as meninas andam assim com as maminhas à mostra?

Angodebates: É uma visão quase colonialista, é uma visão colonial, essa de exótica?

Katiliana: Mas é impressionante, ainda existe. Não digo muito em Portugal, mas na Inglaterra ainda existe. Porque existem ingleses que nem sequer ainda andaram também de avião, não é? Então é aquela coisa de muito fechados, porque também têem um país que tem tudo…

Angodebates: O mundo desenvolvido têem esse problema, não é? Como os americanos, alguns que nascem, crescem e morrem sem terem necessidade mínima de sair do seu país…

Katiliana: Exactamente.

Angodebates: Ok. Deixando um bocadinho essa parte sociológica, vamos voltar para aquilo que são projectos, aspirações da Katiliana. Está em Angola há dois anos, em que é que está envolvida neste momento?

Katiliana: Bem, agora estou agora envolvida aqui com este festival, não é?, o Acácias-Fest. É um convite da Ombenje Produções e que, pronto, eu recebi com muito gosto. E acho que era um convite que já deveria ter sido feito há algum tempo, mas pronto… [apontando a indirecta para o músico Ndaka Yo Wiñi, que acompanhava a conversa]. Ele sabe o porquê…

Angodebates: Plenamente de acordo (risos). Eu afianço o seu talento.

Katiliana: Mas, lá está, mais vale tarde do que nunca. Eu estava já ansiosa que viesse este convite há mais tempo.

Angodebates: E como é que é por Luanda em termos de oportunidades? Tem tido ou acha que o género que cultiva não é o que os holofotes imediatos mais procuram?

Katiliana: Eu não gosto muito de pensar que isto é uma lamentação mas é uma crítica construtiva que eu faço. Porque eu acho que há – não sei se posso chamar isso, posso estar um bocadinho a exagerar mas há – um certo monopóliozinho, que só uns é que…

Angodebates: Mas isso é um facto. Por vezes até ocos em termos de estética do produto que se promove. Por vezes é o oco.

Katiliana: Lá está, nós estamos tão obcecados pelo facto de queremos ser um país ‘number one’ a nível cultural, a nível de tudo, mas é preciso primeiro partir da mentalidade do próprio angolano.

Angodebates: Da base.

Katiliana: Sim, da base. Quando eu digo mentalidade base, é a própria valorização do reconhecimento nacional. Seja norte, sul, este.

Angodebates: No segmento que a Katiliana cultiva vai tendo um ou outro espaço. Quer dizer, há este lado negativo e pernicioso que é o monopólio. Quanto a mim, torna-se ainda duplamente pernicioso, em minha constatação, principalmente porque o produto que se quer promover, na verdade, é oco, do ponto de vista da consistência musical.

Katiliana: Sim. Acho que também existem poucos corajosos que queiram embarcar nesta odisseia. Eu digo corajoso no sentido de serem um ou dois ou três que aparecem e que fazem esse tipo de eventos, não é? Um daqui, um dali, mas eu acho que parte do princípio que não deverá ser um ou dois. Eu acho que as pessoas têem de se consciencializar que nós também somos Angola.

Angodebates: Com certeza!

Katiliana: Não é só o tal supostamente comercial, que vende, que faz as músicas, que é o fixe. Mas nós também somos esta parte cultural.

Angodebates: Até porque, como povo, temos várias sensibilidades. Se temos um país com diversidade, era suposto essa diversidade ser transversal…

Katiliana: Exactamente. E é triste. Eu já falei com outras pessoas que já estão há mais tempo nesta lida cá, nesta luta, nomeadamente a Afrikhanita, que é minha prima, não é?

Angodebates: Ai, é? A Eunice José?

Katiliana: É, é família. E então ela está nessa luta já há um certo tempo, e realmente há ofertas descabidas que ela já recebeu.

Angodebates: São atentatórias, no sentido do assédio?

Katiliana: Não, gravar kizomba. Só apostamos para kizomba. Para essas coisas do jazz, essas fusões, essas coisas muito culturais, do coiso, não. A gente não vamos te querer investir. E é triste porque eu já não vou falar mais de um Estados Unidos, de uma França ou de uma Inglaterra, que é um país bastante multi-cultural, mas vou falar do caso do Brasil. Lá paira ‘n’ de diversidades de estilos, que são os casos do forró, o samba, o pagode, a bossa nova…

Angodebates: Pois, a bossa nova que – eu não sou músico, mas vá lá – em termos de harmonia parece soar dissonante, mas tem público.

Katiliana: Exacto. E é como se fosse uma bandeira firmada do Brasil. Quem conhece a bossa nova, os americanos adoram e vão buscar os clássicos, dos Jobins das Elis, dos Valis, Vinicius de Moraes, vão buscar este pessoal todo para estarem a reformular ali o seu repertório. Portanto nós vamos a estes países e vemos uma variedade. Nós aqui…

Angodebates: Podíamos até fazer um copy/paste?

Katiliana: Aqui se tu não és kizombeiro – porque é mesmo assim, desculpa. Se não és kizombeiro, és posto um pouco de parte. E só um ou outro é que se lembra, ‘eh pá!, vem, eu gosto da tua música, eu aprecio a tua música.’

Angodebates: A media tem responsabilidade. Ou não? Há programas de kuduro mas…

Katiliana: Mas nós também temos que ver que há uma máquina financeira por detrás.

Angodebates: Pois. O poder influencia.

Katiliana: Porque não podemos também pôr a carroça à frente dos bois. Estas instituições também precisam de ganhar. É assim que acontece lá fora. Só que acontece de uma forma bastante inteligente. Porque existe o mercado do world music, do jazz, existem vários festivais, não é? Existem festivais que se calhar não são conhecidos mas muitos músicos, principalmente do world music, e mesmo a nível de África, saem daqui para fazerem festivais lá fora.

Angodebates: Têem visibilidade lá fora mas não têem cá dentro?

Katiliana: Exactamente. Nós tínhamos um festival, que acabou. Acabaram com o festival. O International Jazz Festival de Luanda, em que um George Benson esteve cá, uma Diana Reevs esteve cá. E eh pá! Era uma forma de intercâmbio para músicos angolanos, e acabou-se com isso.

Angodebates: Quem é que organizava este festival?

Katiliana: Não sei quem organizava porque na altura eu não estava cá a viver, mas eu acompanhava muito e acompanhava os músicos que também fizeram parte do festival. Era uma porta espectacular, não só para a promoção do nosso país – porque era o nome de Angola que estava ali –, como também promover o intercâmbio. Hoje, se calhar, poderíamos ver talvez um Ndaka [Yo Wiñi] a trabalhar com um George Benson, por exemplo, porque ele ouviu a música do Ndaka. Mas nunca acabam com os palcos de Unitéis, e essas coisas…

Angodebates: Pois. Os outdoors estão lá.

Katiliana: Então é um bocadinho triste. Eu fico muito triste. Tudo bem, nós temos esta responsabilidade social, mas essa responsabilidade social só paira para os tais supostos monopolizantes, mas para o resto… não.

Sem comentários: