PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Fazer rádio é a nova paixão do músico Fredy Tiago

O que é feito do artista Fredy Tiago? Esta é seguramente uma das perguntas que passam pela cabeça de muitos dos nossos leitores e, mais ainda, dos admiradores do benguelense Frederico Tiago, ou simplesmente Fredy Tiago. Nascido no ano de 1989, é daqueles que já não precisam de provar rigorosamente mais nada a ninguém. Dotado de uma voz musicalmente educada, dicção irrepreensível, ainda toca viola e teclado e dirige a Banda Tropical. Depois de vencer há três anos o concurso «Benguela, Gentes e Músicas», da  emissora local do grupo Rádio Nacional de Angola, com a interpretação do «Semba do amor», Fredy tem uma agenda dividida entre Luanda e Benguela para promover a sua carreira.

Mas o que muito poucos devem saber é da sua nova paixão, que não deixa de passar pelo uso do microfone, é verdade, só que em rádio. Fredy presta colaboração ao programa Karaoke na Rádio, às manhãs de domingo na Rádio Morena Comercial. A reportagem do Blog Angola, Debates & Ideias» www.angodebates.blogspot.com invadiu aquela estação para abrir as páginas recentes da carreira de Fredy, nas vestes de director artístico e narrador do show ao vivo, sem deixar de brindar os ouvintes com o bom cantar.  

Blog Angola, Debates & Ideias (Angodebates): Frederico Tiago, agora Fredy Tiago, bom dia. Como vai a carreira, qual é o ponto de situação?

Fredy Tiago (FG): A minha carreira vai tudo na paz, tudo tranquilo. Na verdade, estou sempre a empurrar o meu barco com ajuda de vários empresários que Benguela tem, por exemplo o kota Euclides, do bairro da Fronteira, o administrador, o mais-velho Leopoldo Muhongo, que me têem ajudado muito.

Angodebates: Quando se fala de si, a referência mais fácil era o Bar tropical, depois o Fredy venceu o concurso «Benguela, Gentes e Músicas», emissora local do grupo Rádio Nacional de Angola. De lá para cá, em termos concretos, o que é que se pode dizer que foi feito? O que foi que se conquistou da sua parte?

FG: Bem, muitas conquistas na verdade. Abriram-se várias portas porque foi dali que acreditaram que existe Fredy Tiago, existe um talento em Benguela. Vários empresários apostaram em mim, acreditaram. Tudo, através daquele concurso que eu venci em 2014, isso, se não estou m erro, em Setembro. Foi quando eu levei troféu. Aí várias coisas mudaram, sim senhora!

Angodebates: O Tiago compõe, interpreta, é instrumentista. Quais são as dificuldades, ainda assim, que considera que há nessa sua batalha pela música?

FG: Eu escrevo, também sou intérprete. Em Luanda hoje em dia me chamam ‘o rapaz que mais interpreta’. Porque eu interpreto vários cantores. O único “defeito” é como gravar agora, como ter a música em CD. É o único “defeito”, senão em mim, estou bem. Canto e escrevo normalmente.

Angodebates: Uma das questões que se observam é que a vossa música, a música feita em Benguela, não toca. Tem a mesma percepção? Você acha que o que vocês produzem toca, encontra depois espaço na rádio?

FG: Desculpa o que vou dizer, mas a música feita em Benguela, muitos patrocínios ainda duvidam. Eu acho que eles pensam que ainda não há qualidade, mas é mentira! Há mesmo muita qualidade, porque há músicos que saem de Luanda, da própria cidade capital, e vêm cá gravar. Por outra, para a nossa música tocar nas rádios, é preciso mesmo bater à porta das rádios também, porque só assim é complicado…


Angodebates: O que é que o prémio «Benguela, Gentes e Músicas» representou para si?

FG: O prémio «Benguela, Gentes e Músicas» na verdade ajudou-me a reconstruir a minha própria casa, né? Porque recebi como prémio – são vários prémios, mas o que de momento chegou às minhas mãos é os 350 mil kwanzas. Naquela época, 2014/2015, ajudou-me a requalificar a minha casa.

Angodebates: Fale-nos desta experiência em rádio. Qual é o seu papel concreto aqui?

FG: O meu papel aqui na Rádio Morena é fazer apresentação de karaoke e seleccionar também músicas de karaoke. Porque eu na verdade sou karaokista desde há muito tempo, antes mesmo de mostrar o meu talento a Benguela, que sou músico.

Angodebates: O que é um karaokista?

FG: Karaokista é o jovem que dá oportunidade às pessoas que querem mostrar as suas vozes de cante, cantar a música não de sua autoria, e cantar diferente.

Angodebates: Aqui na rádio, a sua participação já vai há quanto tempo?

FG: Aqui na rádio já vai há duas semanas. De momento é jovem ainda, apenas há duas semanas.

Angodebates: Pensa continuar com isso ou é apenas uma pausa, uma etapa da sua vida artística?

FG: Não, eu daqui em dia é mesmo para continuar. É uma oportunidade também para mim, mas não só, para vários talentos que a Rádio Morena tem recolhido sempre.

Angodebates: Vamos falar de números. Quanto de dinheiro seria necessário para colocar o seu CD no mercado?

FG: Bem, eh… por mim, eu sugeria talvez… Porque eu só quero pelo menos duas músicas de minha autoria que estão a bater mesmo…

Angodebates: Uma última pergunta: a música «Semba do Amor», com a qual você venceu o concurso «Benguela, Gentes e Músicas» é da autoria de quem?

FG: É da autoria do irmão do Kyaku Kyadaff, escreveu o Adão Filipe. Só que não fez sucesso, então o Adão Filipe tirou e me deu a mim. Eh pá, aquela música é que me fez mesmo pôr no top… (risos)

Angodebates: Obrigado.
Reportagem: Gociante Patissa | Benguela, 02 Julho 2017

Sem comentários: