PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 25 de setembro de 2016

Jovens que fazem a diferença no deserto informativo | A quatro mãos se constrói o «Portal do Uíge e da Cultura Kongo»

É quase impossível pesquisar no espaço cibernético sobre a província do Uige e suas gentes sem dar de caras com o contributo do «Portal do Uíge e da Cultura Kongo», acessível no endereço www.muanadamba.net. À parte a agência de notícias Angop e o Jornal de Angola, ambos estatais e a funcionar em correspondência para as suas sedes em Luanda, aquela província do norte de Angola não foge à regra. Não há no sector privado veículos de produção e difusão de conteúdos locais.

À margem dos bastidores do Festival de Poesia do Huambo, a reportagem do Blog Angodebates aproveitou a oportunidade para abordar um dos rostos do portal «Uíge e da Cultura Kongo», o também escritor Vrackichakiri Abelardo, 26 anos, autor do livro «Cicatrizes do Silêncio», editado há dois anos pela chancela brasileira Omnirá.

Aberlardo, detentor de um pequeno empreendimento comercial, conta que o portal foi lançado há cerca de sete anos e é suportado por custos do seu próprio bolso e do de seu parceiro de nome Sebastião Kupessa, actualmente a residir na Suíça.

«O objectivo é divulgar a cultura do Uíge e de uma forma geral a Bakongo», revela Abelardo. Com uma vertente generalista, o portal oferece notícias, ensaios científicos e curiosidades. O portal é também consumido por cidadãos residentes, sobretudo pela parceria com o governo local no sentido de ter acesso a fontes e divulgar eventos oficiais sempre que se justifique. «Mas a maior visualização vem a partir de estudantes do Brasil, Portugal e um pouco Também em França. São países que dedicam mais interesse em estudar a cultura Bakongo».

O êxito do projecto já levou os seus mentores a pensar sobre mudar o nome, considerando alargar o escopo de quem se propõe tratar da cultura do grande reino do Kongo, que inclui, só no território de Angola as províncias fronteiriças do Zaire e Cabinda.

Gociante Patissa (texto e foto). Huambo, 25 Setembro 2016
www.angodebates.blogspot.com

Sem comentários: