PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

"TEMOS IMENSA DIFICULDADE EM ASSUMIRMO-NOS COMO UM COLONIZADOR QUE FOI RACISTA" - Joana Gorjão Henriques, jornalista portuguesa, entrevistada pelo portal Rede Angola

Extractos
“Eu pensei na questão do racismo exactamente por causa do luso-tropicalismo. Em Portugal continua a existir no senso comum a ideia de que nós fomos “melhores colonizadores” e que, por nos termos misturado com as populações locais, fomos menos racistas do que os outros colonizadores, digamos assim. Como povo há esta ideia da brandura e também da bondade do projecto colonial. Portanto, o meu objectivo era mesmo desconstruir o mito do luso-tropicalismo pela voz dos africanos. É certo que existe, por exemplo, alguma reflexão na academia aqui em Portugal, que depois não passa para o senso comum como desconstrução deste mito, mas é tudo um bocadinho da perspectiva portuguesa.
(…)
"Não, porque acho que temos muito material em Portugal do ponto de vista português, o que nos falta era exactamente o ponto de vista africano, que há também e é produzido nos próprios países. Por exemplo, na escola aprende-se a história do lado de quem foi oprimido, de quem foi colonizado e essa versão africana existe, mas em Portugal não, ela não é ensinada. Quando se abre um livro de História e se começa a aprender a História colonial portuguesa é só o ponto de vista dos descobrimentos e da expansão, não temos outro ponto de vista para termos uma fotografia mais completa."

Sem comentários: