PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 14 de agosto de 2016

Reportagem | O JAZZ EM BENGUELA TEM LOCAL PRÓPRIO

Francisco Rasgado, mentor do Clube de Jazz
A Baía Azul, célebre urbanização turística que adopta o nome do tom vibrante em sua praia de 3 Km de extensão, foi a capital do Jazz na noite de sábado (13/08), por conta do 3.º Grande Concerto de Praia. O cartaz prometia: Dodó Miranda, Pop Show, Adamú (radicano na África do Sul), e o dúo Lázaro e Kátia. O Blog Angodebates não quis perder a festa e enfrentou os 30 Km de estrada entre Benguela e o “local do crime”.

Já em posse do passe de acesso para a imprensa, fruto da parceria com o portal Pérola das Acácias, a equipa de reportagem parte às 19h20, a faltarem dez minutos para a hora de início do evento. O prazer de conduzir numa estrada impecavelmente alcatroada é importunado pela falta de iluminação de um troço de dimensão nacional e com um histórico considerável de acidentes fatais. Toda a prudência é pouca.
Lázaro, trovador
À nossa chegada ao Rasgado’s Jazz Club, dez para as 20h00, confirma-se o já habitual nestas lides, procedia-se ainda ao ensaio do som. Somos muito bem recebidos pelo anfitrião, Francisco Rasgado (o Chico Babalada, se preferirem). O Clube, na encosta plantado, apela ao bom agasalho. O buffet montado aguça a saliva. Os convivas desfilam, entre o formal e o irreverente. A socialização entre os profissionais de informação flui, sem espaço para o espectro que divide estatais e privados. Lindo!

A trova do Duo Lázaro e Kátia espalha-se ao ritmo da brisa fria e húmida do mar. São já 21 horas. Bem-vindos à música com alma. Humbi-humbi é servido em dose dupla. Primeiro, na sua essência melódica de tema do cancioneiro Umbundu, depois na versão transfigurada por Filipe Mukenga, a que é universalmente mais conhecida.

Um homem de traço e personalidade fortes, cinquentão, olhos atrás dos óculos, boné distinto, cigarrinho à mão, vai falar. Rasgado é o dono do emblemático Clube de Jaz, restaurante e esplanada à beira-mar decorados com retratos a pincel, entre celebridades e amigos pessoais. “O Jazz em Benguela está em melhores condições do que nos restantes pontos do país, porque em Benguela o Jazz tem um local próprio”, afiança.

Dodó Miranda, acompanhado pela Banda FM
Quanto à proeza de trazer um músico radicado na África do Sul, ainda que angolano, neste contexto de crise, Rasgado considera traduzir a força da adesão e bom momento que o movimento do Jazz em Benguela vive. A noite agiganta-se de boa música e comida. Dodó Miranda brilha no palco. Se alguma dúvida houvesse do êxito do show, desfazia-se. O anfitrião puxa da voz cheia e rouca para atribuir o êxito à esposa, Zady Borrego, que se desdobra na produção do evento, ora na supervisão, ora na execução.

Adamú veio da África do Sul. Viola ao peito, voz trémula, mensagem em Kimbundu, apresenta-se a um público que não o desconhece de todo, não tanto pelos 15 anos de carreira. É que em parceria com a Rádio Benguela, Adamú é autor de temas interpretados por novos talentos no concurso “Benguela, Gentes e Músicas”, suportado musicalmente pela Banda FM, presente também neste 3.º Concerto de Praia. Passavam das 23h00 quando, vencidos pelo sono, abandonamos o Rasgado’s Jazz Club. O palco era assenhorado por Pop Show Quarteto, fazendo jus ao nome incontornável na história da música popular angolana (através do grupo Afra Sound Star). Parabéns a todos!

Gociante Patissa, Benguela, 14 Agosto 2016
www.angodebates.blogspot.com

Sem comentários: