PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sábado, 28 de maio de 2016

Resenha crítica | ALMAS DE PORCELANA E UM CORAÇÃO ANGOLANO QUE CANTA A SUA PÁTRIA

Texto de Vivian Moraes, Brasil
in portal Homo Literatus"
A forte poesia de porcelana de Gociante Patissa chega ao Brasil 

quando não se tem direito
a ter medo do relento
só deus pode ser pai

Gociante Patissa é um poeta experimentado. Depois de oito livros lançados em seu país de origem, Angola, e também em Portugal, ele chega ao público brasileiro — com uma edição que compila seus principais conjuntos de poemas — pelas mãos da Editora Penalux.

O livro brasileiro é Almas de Porcelana (2016), o que já revela o quanto tem de forte (uma alma não se finda, segundo as religiões) e delicado (porcelana). Um ser que se vê no papel de poeta enfurecido pelos males que assolam seu país – Gociante nasceu em 1978, três anos depois da independência do jugo colonial português, mas a libertação viria a ser seguida por três décadas de guerra civil entre angolanos, findas somente em 2002 – , além de se constituir um autor que resgata a beleza estética no que é feio ou grotesco, ou simplesmente errado, como no poema África mãe Zunqueira:

Esta que se aproxima
carrega uma criança às costas
outra no ventre
uma nuvem húmida rasga-lhe a blusa
lembrando que é hora de parar e amamentar
e lá vai ela seguindo o itinerário que a barriga traçar
gestora de um ovário condenado a não parar
porque é património social
penhora o útero na luta contra a taxa de mortalidade

[…]
Almas de porcelana 
Como irmãos é um belo poema que versa sobre a solidariedade, num país em que as fronteiras demarcadas pelos imperialistas não corresponde às identidades culturas em jogo. Em Angola, no processo de libertação, houve uma a aglutinação de vários reinos, que estão sujeitos ao majoritariamente etnolinguístico de origem Bantu. Gociante pertence ao grupo Ovimbundu, que representa cerca de um terço da população angolana, cuja língua, o Umbundu, predomina em seis das 18 províncias.

O mais comovente dos poemas certamente é Obras do tempo, que trata da mutilação de corpos causada pelas minas terrestres das guerras que assolaram o país: “Quando perdi a mão/ condenaram-me a ter saudades da saudação/ de acenar e apertar a mão/ as ruas esqueceram-se do meu nome/ por tudo isso pergunto irmãos/ quantos mais se amputarão/ quantas minhas ainda afinam vozes/ para a hora da explosão?/ até quando as armadilhas?/ caramba pá.”

Esse final: “caramba pá” é um pedido de socorro, um grito rouco que o leitor aprende a ler nos poemas de Patissa ao longo do livro. Trata-se de um livro grave. O leitor não é convidado a sorrir. Porém, mesmo que não sorria por conta da falta de um recurso estilístico mais usual, com imagens e cores bonitas, por exemplo, o sorriso aflora nele ao ler a verdade. E será que dizer a verdade é fazer arte?

Certamente essa é uma longa discussão, mas é fato que Patissa presenteia a nós, brasileiros, com poemas breves e densos, apesar de um ou outro se deixar flutuar.

Leiamos o primeiro poema de Almas de porcelana:

Tríade da pedra do tempo e da obra

Na madrugada, acelera-se a pulsação 
no movimento irreversível do tempo 
os fantasmas da responsabilidade cantam
ecoam as lembranças 
é a despedida do repouso

De dia o suor espalha-se 
pelos poros afora 
na orquestra de quem trabalha 
estradas rasgam-se na curva dos seios 
na nudez do arco-íris 
a vida é infindável caminhada

De noite o corpo exausto cobra pelo descanso 
os olhos carregados enganam as almas 
Gociante Patissa/ foto: José Alves-Rede Angola
que adormecem masturbadas

Ontem foi partida
hoje é caminhada
e o amanhã uma promessa ainda.

Nota-se, aqui, como o autor vaga de uma imagem a outra de maneira simples, quase prosaica. O amanhã pode ser apenas uma promessa, mas neste agora “o suor espalha-se”, “estradas rasgam-se na curva dos seios” e o arco-íris tem “nudez”. Boas metáforas, muito melhores do que uma ou outra que se encontram no livro com menos mestria.

Matéria Publicada no Portal Homo Literatus no dia 28.05.2016

Sem comentários: