PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 26 de maio de 2016

[Oficina] Crónica | Quem não tem dinheiro não vai ao Céu

Texto de Albano Epalanga
Lubango 25/05/2016
Sentado num dos bancos da Igreja, olhos fitos no altar como um telespectador atento, não me distraio e muito menos pisco os olhos, ao meu lado estava uma série de irmãs cujo comportamento dentro daquele lugar não era mais adequado, não era de espantar começando com os ultrajes que me fizeram cogitar comigo mesmo "será que confundiram igreja com passarel ou então a igreja é que se tornou uma passarel?"

Óbvio, não tinha resposta para as minhas perguntas. Minuto vem minuto vai, ainda enquanto cogitava comigo a respeito, eis que vejo o irmão Lombongo (nome fictício), meio nervoso a proferir algumas palavras no intuito de reforçar os anúncios já feitos há tempos atrás em que o mesmo pediu aos membros uma contribuição para a realização de uma festividade…

Dizia o irmão Lombongo com bastante intrepidez: "Irmãos, já se aproxima a nossa festa, temos de contribuir, estas ideias de não contribuir é do Diabo". Eu que nem estava nem aí para essas contribuições fiquei meio acabrunhado, não sabia eu que só tinha sido o princípio, o irmão acabou com tudo quando rematou: "actualmente tudo se faz com dinheiro, sem dinheiro não se faz nada, até no céu só vai quem tem dinheiro."

Se até então só estava acabrunhado, agora fiquei acabrunhadíssimo porquanto nada me passa despercebido, e as informações que são passadas cruzo-as cuidadosamente no crivo da razão, e essa afirmação do irmão Lombongo para mim fora uma autêntica heresia.

Trouxe à memória as indulgências que se cobravam na Idade Medieval sob pretexto de que quem pagasse teria o passaporte para o céu. Só não abandonei o local por ser muito distante de casa. Não percebia onde o irmão Lombongo estava com a cabeça se até é comum dizer-se que a salvação é pela graça mas também a verdade é que ultimamente e infelizmente o materialismo está cada vez mais intensificado e ativo nas Igrejas. Nos dias de hoje ela não cogita mais em viver como viviam os cristãos da Igreja primitiva.

Alguns priorizam e amam mais o dinheiro do que as coisas do Reino do céu. Ficam deslumbrados com o que ele pode comprar. Sonham com conforto e prazer, o viver bem na terra e acabam se esquecendo do alimento espiritual. Não quero com isso dizer que buscar por bens materiais não possa fazer parte das aspirações de crente mas que entendam que o grande fator prejudicial do materialismo não está na quantidade de bens obtidos, mas na atitude.

Gostaria eu que o Cristianismo voltasse à sua essência que passa essencialmente pela pregação do Evangelho, e ajuda aos pobres e necessitados, pena que hoje as Igrejas estão mais preocupadas com templos bonitos do que propriamente com o estado espiritual da nação, se as coisas continuarem assim vamos aceitar que só vai ao céu quem tem dinheiro, pois a uma mentira não custa ser verdade, basta repeti-la várias vezes.    

Sem comentários: