PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

terça-feira, 17 de maio de 2016

Crónica | Quando se aprende mais com um só livro do que em seis meses de aulas

A minha passagem pelo Piaget atrás da licenciatura em sociologia foi mais ou menos uma colecção de traumas. O primeiro choque veio de um certo desrespeito que residia nas normas, principalmente aquela de não haver uma segunda oportunidade para quem perdesse uma prova (por maior que fosse a força do motivo). Se o estudante perdeu a primeira frequência, vai automaticamente ao recurso, na lógica da improbabilidade de conseguir 20 valores na segunda frequência e com isso a média 10.

Ora essa, como ficaria o meu direito à desordem?! Nunca na verdade fui um estudante disciplinado, nem acredito que vá a tempo de mudar. Se em plena sala de aulas apetece ir para a casa, pego em mim e vou-me embora. Pelo que tive mais tarde de desistir, com o receio de não concluir o curso nos cinco anos curriculares e envelhecer tentando.


A segunda dor de cabeça era a falta de transporte para conciliar o emprego (no estressante que é o serviço de terra em avião civil) e duas universidades ao mesmo tempo, sendo que na estatal continuava alistado no segundo ano de linguística/Inglês. Tudo isso fazia-se num perímetro de 70 quilómetros.

Depender de boleia, nos dias em que a última aula vai até poucos minutos antes das 23 horas é, como diz a minha amiga portuguesa, dose! Mas almas caridosas há sempre. Estou recordado de certa vez em que à meia-noite fomos à boleia de uma camioneta carregada de caixas de tomate, certamente destinada a Luanda.

Gostava das aulas de metodologia de investigação científica, mas muito mais ainda das de epistemologia, ética social e francês. Tudo isso não suplantava a grande frustração que era a gélida metodologia da professora que dava o que eu mais desejava aprender, a sempre quente Antropologia.

A académica montava o datashow e limitava-se a ler o powerpoint que projectava à parede, num ambiente mais frio do que o inverno das ruas de Lisboa, que fazia questão de evocar como fonte do canudo. E o monólogo de sotaque mecânico europeu de pronunciar o R como se a arrancar uma espinha de peixe na garanta! Se mais explicação lhe pedissem, relia e trancava o semblante. E na prova? Bem ao estilo linear e textual do exame de condução: respondeste bem, mas não foi o que eu ensinei. Logo, zero.

De tal sorte que quanto mais o tempo passasse, mais me ligava à professora algo intenso: a atitude de rejeição. Quase me fez odiar a ciência que almejava dominar na sequência de um convívio três anos antes com alguém que tinha mestrado e paixão por Antropologia. Curiosamente, a leitura deste livro introdutório de Claude Rivière, que me chegou por empréstimo, está a ser bem mais elucidativa do que o desperdício de meses sentado na sala de aulas no distante ano 2007.

Já dizia alguém que quando as memórias do tempo de escola voltam com intensidade, é porque ressuscitou a alma de estudante. Queira, caro leitor e cara leitora, tolerar as divagações de um eterno estudante e sonhador que gostaria de sair pelo mundo afora e cimentar conhecimentos, seis anos passados desde a conclusão da licenciatura, pudesse ele quebrar os compromissos de sobrevivência. 
Gociante Patissa, Aeroporto da Catumbela, 17 Maio 2016

Sem comentários: