PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

domingo, 24 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | Kizombas da minha alma!

Texto de Lauriano Tchoia, Luanda, 23.04.2016
As minhas Kizombas brilham no sapato fino do passista, na pista que facilita o toque que conduz a dama na ginga rítmica do meu semba e fazer sair sorrisos coniventes entre elas, sob o olhar atento do garino que não risca nada e se esborracha em ciúmes.
“Vai pra academia rapaz, e sais daí Mateus Pelé”!

As Kizombas minhas confundem-se com as do Proletário cuja saia matou bwé de malandrecos, quanto ao número consultem o censo, por favor. “Suplico que não me trates assim, não aguento estas remexidas de me fazer ver magias e dunas em pleno mar do Malembo, eu não mereço isso!”


As Kizombas da minha vida vão no gorro do soldado, na pala que esqueceu dar ao brigadeiro por ver sua arma enferrujar de tanta tranquilidade e na lata de Coca-Cola esconder katembe (cocktail) de vinho, whisky e limonada, só para contrariar a pachorra do oficial dia. “Queres o quê mó chefia, se estamos em paz?”

São as mesmas Kizombas que encontro no choro do kandengue que dá largas à fatia de bolo no armário, na vontade de jogar adiantado e comer sem medo do aviso que o açúcar traz makulu (oxiúros) para depois debelar com santa-maria na seringa do cristel.

As Kizombas da minha vida bazaram limpas para tuga (Portugal diminuitivo), curtem estética dentária e na chipala pele-fina, levar febre para os nguetas se borrarem com as quetas da Banda Maravilha, no compasso do meu kamba Marito Furtado, enquanto nós estamos bem aqui. Fado connosco só mesmo pra velórios.

As Kizombas da minha vida estão na Gé e na Mila, as kassulas do kubico, que se fazem ao salão no passo da coladeira de Livongh a dançar funana e mais algo no pé doce da tarrachinha. Você é que sabe, mas vem só entrar na roda. Yo, yo, yi – yo, yo, yoi.

Sem dúvidas para ninguém, estas Kizombas fazem os prolongados da terra livre de andar a pulular, por aí, por aí e sentir o cheiro do chão bom de Cabinda ao Cunene, e fazer cantar Paim; AI WÉ NGOLE, P’RA TIRAR SELFIES À TOA.

Sem comentários: