PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Nota solta | Paradoxos

Cada vez que passo pelo edifício do mercado de Benguela, duas imagens saltam à vista em jeito de paradoxo: (1) Numa altura em que se obriga o (re)registo dos números, ainda estão cidadãos singulares literalmente à porta da loja, vendendo precisamente telemóveis da própria Unitel, concorrendo com esta na lei da kandonga. Ou seja, do jeito que as filas na loja são vagarosas, nada garante que não se continuem a comprar cartões SIM na rua. (2) Num outro ângulo, de vez em quando vemos fiscais da Administração Municipal em missão de desencorajar o surgimento de mercados marginais pelas bermas e passeios, na lógica de que o comércio ambulante implica movimento. Nesta senda, vendedoras de frutas e não só costumam ser apanhadas em contramão, a bem do código de postura, mas... custa entender que tal acção não afecte o outro submercado de berma, o da venda de telemóveis e acessórios, no qual predominam os nossos irmãos do Congo Democrático, já que, tal como as zungueiras, consta que estes também não tributam para o tesouro. É o que nos ocorre, claro está, sempre abertos à melhor interpretação que eventualmente alguém possa partilhar.

Sem comentários: