PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sábado, 18 de julho de 2015

Oratura | "MANGOLÉ" OU "MWANGOLÉ", EIS A QUESTÃO

Por Kamuatata Kyami Kasule, in Jornal A Capital, Luanda, 18.07.15)

"Mangolé de sucesso”. Muitos angolanos deparam-se não poucas vezes com a expressão que invade as residências dos cidadãos por intermédio de um canal de televisão por satélite. 

A expressão chama atenção, pois é apresentada em letras garrafais, apelando os feitos dos angolanos um pouco espalhados pelo mundo, sob apresentação da simpática Angélica Costa. Porém, a razão deste artigo é justamente analisar, segundo a língua kimbundu, claro, caso o termo seja realmente retirado desta língua banthu, o que merecerá uma curta análise. 

Ora vejamos: Se “Mangolé” subentende angolano para a realização do programa, então há uma gralha de concordância e estrutura morfológica da frase na língua kimbundu, visto que a designação apropriada na língua em questão usa-se o prefixo "Mukwa” para formação dos vários adjectivos e substantivos. Exemplo: Mukwa Ngola (originário ou natural de Angola). 

Outrossim, há um termo ou prefixo comumente usado como forma de indicar origem, proprietário ou naturalidade, resultante da forma curta de “Mukwa”, na qual toma a forma curta de “ Mwa”. Exemplo: Mwazanga (ilhéu, natural da ilha) - forma do singular Akwazanga (ilhéus, naturais da ilha) - forma do plural Mwangola ou mwangole (angolano, originário de Angola)- forma do singular Akwbangola (angolanos, originários de Angola)- forma do plural Akwa Kisama (naturais da Kisama) Akwa Uíje (naturais do Uíje) Akwa Malanje (malanjinos ou naturais) Portanto, se o programa é trazer os angolanos naturais, deveria sim trazer também a forma correcta dos naturais de Angola. 

Assim sendo, não é aceitável e nem deve ser considerada tal expressão, pois não transmite nada na língua kimbundu, ao menos que seja uma gíria unicamente falada por quem nunca balbuciou a língua em análise.

Sem comentários: