PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Diário | Da nossa mania estranha de celebrar reencontros

(Uma funcionária, um cliente)
"Dany!!!"

"Ya!!!"
"Passei a primeira vez, eu falei: é mesmo ele?"
"Te cumprimentei no outro dia, não me reconheceste, acho."
"É muito tempo. Até já estás mano."
"Sim, uns 10 anos quase."
(A distância tem esse poder de incentivar intimidades, de conhecidos nunca passaram. E ao longe na esplanada...)

"Dany, nunca me pagaste lá nada. Paga ainda uma gasosa."

(O cliente sorri e anui, sem estar de acordo. Nem se coloca a ideia de manifestar o que acha desta mania que já caminha para cultural, isso de viver pendurado no bolso alheio. Ainda podem pensar que não pertence a esta sociedade. Já agora, você que está a ler, me paga só saldo, ya? Não é assim que celebrámos os reencontros?)

Gociante Patissa, Lobito 22.04.15

PS: Assim como ter deficiência habilita em certos casos a passar a pedinte, ser mulher dá elegibilidade para o "me paga lá só isso". De tanto que a nossa sociedade tolera (promove?), e considerando a diversidade étnica que caracteriza o país, parece estranho que não se fale de uma região do país onde tal parasitismo seja social e activamente reprovável. Talvez seja mesmo mais do que simples tendência.

Sem comentários: