PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Diário| "Menos é mais", uma sugestão ao “Debate Livre” na Tv Zimbo

Dediquei algum tempo, o tempo que a energia eléctrica geral permitiu, a ver o programa “DEBATE LIVRE” do "terceiro canal" angolano, a TV Zimbo, que versou sobre a lei do registo eleitoral pela perspectiva do Direito. Já tinha visto outras sessões, que são inquestionavelmente meritórias, desde logo pela promoção do contraditório, com um painel mais representativo do que aquilo a que estamos acostumados no mosaico mediático. Positiva é ainda a reputação que tem o moderador do programa e director da estação, Francisco Mendes, tido como imparcial quase que consensualmente por gente abalizada. O PONTO NEGATIVO, e aqui há que dizê-lo, recai quanto a mim para o MÉTODO. O formato debate é aquele que suscita no público consumidor do produto mediático (telespectador/ouvinte) um grau de expectativas ainda mais activo quanto aos argumentos de razão a esgrimir. Ora, se temos um painel de por aí cinco convidados, mais o moderador, e se, a título de exemplo, cada convidado tem dois minutos em cada intervenção, isto quer dizer que o convidado mais obediente às regras do jogo terá de ficar nove minutos até abrir novamente a boca, excepto para bocejar. Na minha experiência de moderador freelance de debates radiofónicos, absorvi que quatro convidados em estúdio já não são poucos. E estes nove minutos de intervalo só podem gerar dispersão de atenção e ansiedade. Salvo melhor fundamento metodológico, é minha opinião que se devia reduzir o número de convidados, o que não é necessariamente dizer que se deva prejudicar a representatividade no que respeita a diversas sensibilidades sociais. Aqui, vale o princípio universal de literatura e não só que diz que “menos é mais”, o que nos daria em menor número de convidados e maior espaço de intervenção. Como diz o velho ditado, “quem muito abraça pouco aperta”.

Gociante Patissa, Katombela, 25.02.2015

Sem comentários: