PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sábado, 26 de abril de 2014

Conto: OCIPAKUPAKU [otsi-páku-páku] - A INSÓNIA

Vivências, não há como fazer delas uma espécie de tábua-rasa. E quando o tempo é anterior a 1992, é grande a presença dos efeitos da guerra civil no meio rural do território de Benguela, sublinhando-se ali e acolá pequenos diálogos hilariantes.

Indo ao ponto, na comuna do Monte Belo, do município do Bocoio, que dista aproximadamente 100 quilómetros a leste do Lobito, muitos dos adultos passavam a ideia de que tinham insónia, ou no mínimo exibiam pela manhã um aspecto de terem tido poucas horas de sono. Para quê? Para cada um mostrar-se em prontidão permanente, já que os ataques de guerrilha se davam na calada da noite, geralmente fazendo-se coincidir com datas festivas, circunstâncias típicas de os armazéns, como os próprios lares, estarem recheados de comida e agasalho. 

A par do rico cultivo de abacaxi, a comuna tem a vantagem de estar plantada ao longo da estrada que liga o litoral ao centro-sul do país, sendo o Huambo o mais directo vizinho. Isso fazia do local (sob tutela da administração do Estado) boa fonte de logística para quem procurasse alimentar, por via da força, o seu exército (Unita, tida na época como movimento armado).

Havia então uma senhora (a qual trataremos por kumasini A- corruptela de comadre) que, ao ser cumprimentada ("walale?"), respondia invariavelmente: "Sa lale, ndalale locipakupaku" (não dormi bem, dormi com insónia).

Assim, uma sua comadre (chamemo-la de kumasini B) não conseguia sossegar, preocupada com o risco à saúde da outra, pelos alegados vários dias sem dormir. Numa bela oportunidade, não planificada, passaram a noite uma ao lado da outra. Foi então que a kumasini B encheu o peito de alegria, pois a outra atravessara a noite em doce sono de recém-nascido, roncando a noite inteira como motor com manutenção em dia. E pela manhã...

"A kumasini, walale?" (Dormiste bem, comadre)
"Sa lale, a kumasini, ocipakupaku cindilonga" (não dormi nada bem, comadre, a insónia dá cabo de mim) -- respondeu, com o habitual semblante de desgaste.
"A kumasini, ove pwãi uhembi. Ove mwenle, walale lokwõlã, okalinga eti kwa lale?" (Ó comadre, és afinal uma mentirosa. Então tu, que passaste a noite a ressonar, dizes que não conseguiste dormir?)

Sem esperar que a dona da insónia se justificasse, foi a kumasini B cuidar de outros afazeres. Eu cá julgo compreender a kumasini A, posto que "Vigilância!" era a palavra de ordem. Ora, se os homens tinham de assegurar a defesa, era normal as mulheres contribuírem com a produção agrícola... e um pouco de insónia. Ou não?
Gociante Patissa, Benguela, 26 Abril 2014

Sem comentários: